Baixe já! Aplicativo to.be Camera permite criar GIFs surreais no iPhone

28/07/2014

por | Techno

Imagem gerada pelo aplicativo to.be Camera ©Reprodução

O futuro não é filtrado, é caótico. Essa é a premissa por trás do to.be Camera, novo aplicativo para iOS (sistema usado por iPhone e iPad) lançado no início deste mês. Descrito como uma “câmera de realidade aumentada”, o app gratuito permite que você grave GIFs e coloque camadas de cor e efeitos visuais sobre a imagem, tornando-a hipnótica e surreal.

Mesmo que você não seja uma pessoa muito criativa, os GIFs gerados com o to.be Camera se parecem bastante com vídeos artísticos vistos em galerias de todo o mundo – especialmente, se for considerado que ele foi pensado e desenvolvido por um coletivo de artistas e designers nova-iorquino, intitulado to.be. O aplicativo traz vinte efeitos gratuitos, incluindo uma opção transparente e os famosos caças estelares TIE de Star Wars. Após utilizá-los, você pode criar uma quantidade ilimitada de GIFs e vídeos para compartilhá-los pelo Instagram, Twitter, Facebook, email, SMS e até mesmo no sistema de hospedagem do próprio to.be Camera.

Além do conteúdo gratuito, é possível fazer compras dentro do app para adquirir pacotes de efeitos adicionais criados por artistas, com preços que vão de US$ 0,99 até US$ 1,99 (aproximadamente de R$ 2,21 a R$ 4,45). O to.be Camera é compatível com o iOS 7 ou versão superior e pode ser baixado gratuitamente na App Store.

+ Veja abaixo alguns GIFs postados na conta do to.be Camera no Instagram:




DVF e Google Glass anunciam coleção de óculos que será vendida pela internet

03/06/2014

por | Techno

Modelo Shiny Elderberry Gray, da coleção  DVF Made for Glass ©Divulgação

A competição em torno do Google Glass deu mais uma demonstração de que o produto deve chegar em breve com força aos mercados consumidores. Depois de a Luxottica ter anunciado em março acordo para projetar, desenvolver e distribuir modelos baseados no Google Glass, foi divulgado nesta terça-feira (03.06) que a Marchon Eyewear vai produzir uma coleção de Google Glass desenhados pela estilista Diane von Furstenberg.

+ Leia matéria sobre o anúncio da parceria entre o Google Glass e a Luxottica.

O anúncio foi feito pela Google e pela marca DVF, que anunciaram o lançamento de uma coleção denominada DVF Made for Glass. A coleção completa será vendida a partir de 23 de junho no site Google.com/Glass. O site Net-A-Porter vai colocar à venda edições limitadas.

Essa não será a primeira vez que DVF trabalha com o Google Glass. Na temporada Verão 2013 da semana de moda de Nova York (em setembro de 2012), ela desfilou o primeiro modelo da peça, com armação em diferentes cores. Mas os óculos não estavam lá apenas de enfeite: as imagens gravadas pelas modelos viraram um vídeo que ajudou a mostrar para o mundo da moda as possibilidades do dispositivo.

+ Assista ao vídeo do desfile de DVF na temporada Verão 2013 (com imagens captadas com o Google Glass):

No comunicado emitido nesta terça-feira, Diane afirma que sempre foi fascinada por tecnologia. “É algo muito natural para nós e estamos muito felizes de estar à frente com o Glass.” Isabelle Olsson, designer chefe do Glass, diz: “Estamos entusiasmados em colaborar com DVF mais uma vez para transformar ainda mais os óculos em algo moderno e elegante.”

O Google Glass são óculos que têm uma espécie de pequena tela em uma das lentes que o usuário pode comandar para gravar vídeos e acessar a internet por meio de uma conexão sem fio com o celular.

+ Veja mais modelos da coleção  DVF Made for Glass:

Google-Glass-DVF-Net-a-porter-Aviator-GraphiteFlash-Black
Divulgação
Aviator Graphite Flash Black

Modelos e seus celulares inseparáveis: veja os apps que eles baixaram e aprovaram

11/04/2014

por | Techno

Cansou dos filtros do Instagram? Quer um jogo com mais conteúdo do que Paciência? Para pegar as dicas dos aplicativos mais novos e úteis, desbloqueamos o celular de cinco modelos e demos uma olhada no que eles baixaram recentemente e aprovaram. Eles passam horas à espera em casting e backstage, precisam dar um up nas fotos que postam no Instagram e vivem viajando. Confira as dicas e baixe também. Fotos: ©Mary Cruz

Luma Grothe

Quiz Up: baixou recentemente, mas já virou seu passatempo preferido. É um jogo de pergunta e resposta, e a modelo contou que tem aprendido bastante com o app.

Magisto: app para edição de vídeo no celular. É possível cortar o vídeo, colocar trilha sonora e adicionar efeitos.

Alexandre Kunz

Tinder: app para conhecer pessoas. Apesar de o aplicativo ter a finalidade de conectar pessoas interessadas em um encontro amoroso, o modelo afirma que já fez bons amigos pelo aplicativo.

Snapchat: aplicativo para enviar fotos para uma pessoa ou para um grupo. A imagem pode receber texto e desenhos e fica visível por um tempo determinado por quem posta.

Karen Nuernberg

7 Minutes Work Out: aplicativo que sugere treinos rápidos. Quando não tem tempo de ir à academia, a modelo malha no hotel, em geral com o treino para abdome sugerido pelo app.

InstaFrame e Camera +: no primeiro faz montagens e, no segundo, usa filtros diferentes nas fotos que posta no Instagram.

Fellipe Wermuth

DeekFit Gym: app bem completo que ajuda no treino da academia. É só colocar as medidas e o programa registra o progresso, inclusive com fotos. Também permite que os usuários falem entre si e se ajudem, mas Fellipe ponderou que a maior parte dos usuários é estrangeira.

Porta dos Fundos: como não tem tempo para assistir ao programa em casa, baixou o app para assistir quando está, por exemplo, no metrô.

Sofia Krawczyk

PicsArt: o app permite fazer colagens de fotografias e colocar ícones divertidos. A modelo argentina usa o aplicativo para dar uma graça nas fotos que posta no Instagram.

PhotoRepost: usa para repostar fotos e, sobretudo, vídeos no Instagram.

Google fecha parceria com Luxottica e dá novo passo para tornar Glass mais acessível

27/03/2014

por | Techno

Parceria entre Luxottica e Google promete tornar Glass mais acessível e disponibilizá-lo para mercado maior. Atualmente, há poucos modelos disponíveis (apenas para os EUA), como o Titanium e o esportivo ©Reprodução/Google

O Google Glass — óculos que têm uma espécie de pequena tela em uma das lentes que o usuário pode comandar para gravar vídeos e acessar a internet por meio de uma conexão sem fio com o celular — promete ser o grande protagonista da próxima revolução tecnológica. Para que isso se torne realidade, os maiores entraves são tornar a tecnologia acessível e disponibilizá-la para um mercado mais amplo. Pois o grande passo nesta direção pode ter sido dado nesta semana. A empresa italiana Luxottica, maior fabricante do mundo de óculos de sol, fechou acordo para projetar, desenvolver e distribuir modelos baseados no Google Glass. A notícia, divulgada pela agência de notícias Reuters, foi recebida com certa euforia e divulgada em sites e jornais do mundo inteiro.

A Luxottica informou que suas duas maiores marcas, Ray-Ban e Oakley, fazem parte do acordo, mas não deu outros detalhes. Os novos modelos devem chegar ao mercado em 2015 — quando o projeto foi divulgado, em 2012, a expectativa do Google era que o produto fosse ofertado em larga escala já neste ano.

Até o momento, o Google Glass é um produto caro e inacessível até mesmo para quem pretende pagar os US$ 1,5 mil cobrados, pois o dispositivo ainda está em desenvolvimento e somente pode ser adquirido por residentes dos Estados Unidos que têm cadastro no programa Explorer.

O acordo permitirá que a Luxottica seja a primeira empresa a ofertar a nova tecnologia para milhões de consumidores em potencial, mesmo que o Google ainda tenha que superar algumas barreiras, como a duração da bateria e questões relacionadas à privacidade. O Google Glass já recebeu as mais diferentes críticas, desde ser chamado de um dispositivo de vigilância constante até ser acusado de ajudar a desumanizar e isolar as pessoas. Não à toa foi apelidado de “Glasshole”. Mas convencer as pessoas a usarem o Google Glass não é apenas uma questão tecnológica, mas também de moda.

Sergey Brin, um dos fundadores do Google, com Diane Von Furstenberg no encerramento do desfile Verão 2013 da grife, em que modelos desfilaram com o Google Glass ©Imaxtree

A parceria entre Google e Luxottica certamente também contemplará a questão estética dos óculos — a empresa italiana detém o licenciamento de marcas como Prada, Chanel, Dolce & Gabbana e Coach. Mas o mundo da moda já teve seus primeiros romances com o dispositivo. Na temporada Verão 2013 da semana de moda de Nova York (em setembro de 2012), Diane Von Furstenberg desfilou o primeiro modelo da peça, com armação em diferentes cores. Mas os óculos não estavam lá apenas de enfeite: as imagens gravadas pelas modelos viraram um vídeo que ajudou a mostrar para o mundo da moda as possibilidades do dispositivo. A ação de marketing com o Google naquela temporada também proporcionou que os fashionistas experimentassem os óculos e entendessem o uso. Agora, já foram lançadas várias armações, algumas com mais informação de moda, outras mais indicadas para usos específicos, como a prática de esportes. O próximo passo certamente será a união das grifes ao Google Glass. Ou seja, a questão não é se você terá um deles, mas se o seu modelo será Ray-Ban, Prada, Dior…

+ Assista ao vídeo do desfile de DVF na temporada Verão 2013 (com imagens captadas com o Google Glass):

+ Assista ao vídeo que o Google preparou para explicar como funciona o dispositivo:

#airmaxday! Nike celebra 27 anos do tênis icônico; veja galeria com todos os modelos

26/03/2014

por | Techno

Modelo comemorativo do Nike Air Max, que marca o aniversário de 27 anos ©Divulgação

Nesta quarta, 26 de março, a Nike comemora o aniversário de 27 anos do Air Max, tênis que revolucionou a indústria dos calçados esportivos na época e, a cada novo lançamento, trazia novas tecnologias que potencializavam seu efeito de amortecimento a ar.

A história do Air Max começa 10 anos antes, quando o engenheiro aeroespacial Frank Rudy visitou a sede da Nike e ofereceu um protótipo de tênis que vinha com uma espécie de airbag. Após algumas tentativas, o primeiro modelo oficial mesmo surgiu pelas mãos do designer (e ex-arquiteto) Tinker Hatfield, que, com o projetista Mark Parker (hoje CEO), transformou a visão em um produto de fato, o Air Max 1. “Se nós cortarmos um pouco da entressola e mostrarmos o airbag, as pessoas vão entender”, pensou Tinker na época.

Desde então, o tênis tem passado por recriações anuais, resultando em uma grande família de modelos, como Air Max Light e o Air Max Lunar90. E ao longo dos anos também foi aumentando sua gama de fãs, e não só atletas e esportistas – há um grande público no mundo obcecado por tênis e sneakers, que chega a colecionar dezenas e centenas de pares. Conhecendo a paixão das pessoas, a Nike convida todos a postarem uma foto usando o seu Air Max com a #airmaxday.

Para celebrar a data, a marca lança uma edição especial do primeiro modelo, o Air Max 1 Air Max Day, que tem a língua estampada e combina a parte de cima original, em cor branca/vermelha, com uma entressola do modelo volt. O tênis está disponível com exclusividade no site da Nike a partir de agora!

Veja abaixo a galeria que montamos com todos os modelos lançados (não inclui variação de cores):

nike air max 1987
Nike Air Max 1987, o primeiro modelo

Entre a passarela e o mundo virtual: Instagram é novo campo de batalha das grifes

19/02/2014

por | Techno

Imagens postadas no perfil da marca Michael Kors no Instagram no dia do desfile na NYFW ©Reprodução/Instagram

Para quem acompanha a moda e está acostumado a ver o que acontece nas passarelas das principais temporadas do mundo, pode parecer que a grande batalha entre as marcas se concentra em fazer os mais inovadores e belos desfiles. Mas nas últimas temporadas a guerra não ocupa mais apenas o campo real, mas também o virtual, onde as grifes conseguem atingir um público muito maior do que aquele que está atento aos desfiles. E no mundo das redes sociais a grande disputa é travada no Instagram, que tem se mostrado mais eficiente na hora de ajudar as marcas a criarem uma identidade visual e a fazer a conversão do esforço investido em retorno de vendas.

A grande aparição da Michael Kors durante a New York Fashion Week, de 5 a 13 de fevereiro, certamente não foi nas passarelas, nem pelas ruas da cidade, mas justamente no Instagram. Durante a semana do evento, a grife ficou no terceiro lugar no ranking de todas as marcas do mundo que mais ganharam novos seguidores, atrás apenas de Nike e Forever21, de acordo com informações da Nitrogram para o “WWD“. Em média, são 9.864 novos seguidores por dia, 50.085 por semana e 161.336 por mês. A marca tem 1,8 milhão de fãs e 1,86 milhão de menções com #michaelkors. A grife é considerada a marca de luxo top no Instagram, seguida de Gucci, Louis Vuitton, Burberry, Christian Louboutin, Prada, Marc Jacobs, Ralph Lauren, Versace e Valentino.

Post de Michael Kors do dia 6 de novembro de 2013 foi o primeiro anúncio no Instagram ©Reprodução

Não é à toa que a Michael Kors foi a primeira empresa a fazer um post pago no Instagram, em novembro do ano passado. O resultado, segundo a Nitrogram, é que a marca angariou 16 vezes mais novos seguidores com o anúncio patrocinado do que com as postagens não pagas. A estratégia da marca, que tem se mostrado muito eficiente para a indústria da moda como um todo, é mostrar tudo o que acontece nos bastidores: antes, durante e depois dos desfiles.

A Ralph Lauren teve 10.460 novos seguidores no Instagram no dia do desfile na NYFW, enquanto a Calvin Klein ganhou 4.036 seguidores no mesmo período (os desfiles foram às 10h e 14h, respectivamente). A Calvin Klein faz uma abordagem em três frentes no Instagram: a conta @CalvinKlein publicou conteúdo do diretor criativo Francisco Costa, da blogueira Hanneli Mustaparta e da modelo Vanessa Axente, rosto da Calvin Klein Collection. A marca também usou pela primeira vez o Instagram Direct, que foi usado para que Francisco Costa se comunicasse com quem estava assistindo ao desfile.

Fotos postadas nos perfis de Miranda Kerr e de Trey Songz no Instagram como parte da campanha #mycalvins ©Reprodução/Instagram

Aliás, a Calvin Klein lança nesta terça-feira uma campanha em homenagem à lingerie com o logotipo “Calvin Klein” no cós, que ficou muito popular nos anos 1980 e 90. Nesta segunda-feira (17.02) a marca lançou um teaser do projeto digital “mostre o seu. #mycalvins” nas contas do Instagram de Miranda Kerr e do cantor Trey Songz. Cada um publicou posts com fotos suas usando #mycalvins para os 3,3 milhões e 1,9 milhão de seguidores respectivamente. Trey colocou duas fotos, e ambas tiveram mais de 130 mil likes e uma média de 15 mil comentários. A foto de Miranda Kerr teve mais de 170 mil curtidas em menos de 24 horas.

Posts feitos pelas blogueiras Chiara Ferragni e Leandra Medine nesta terça-feira como parte da campanha #mycalvins ©Reprodução/Instagram

Nesta terça-feira (18.02), as blogueiras Chiara Ferragni, do The Blonde Salad, e Leandra Medine, do Man Repeller, lançaram a campanha no Instagram, publicando os seus posts. Mais de cem formadores de opinião de 15 países, com alcance de mais de 250 milhões de fãs em redes sociais, foram contratados pela marca, como atores, blogueiros, modelos e músicos. Entre eles estão Fergie, Lara Stone, Cody Simpson, Poppy Delevingne e Hanneli Mustaparta. A marca também vai promover a hashtag em todas as suas contas de redes sociais.

“Nós pensamos que seria inovador começar uma campanha com os influenciadores postando imagens antes mesmo da marca”, disse Malcolm Carfrae, vice-presidente executivo e diretor de comunicações da Calvin Klein ao “WWD“. A Calvin Klein vai reunir em um site o conteúdo gerado pelos usuários. O site estará ligado ao e-commerce para que os consumidores possam comprar na hora suas peças.

No último Intelligence Report, o grupo de reflexão Luxury Lab (L2), da Universidade de Nova York, afirmou que o Instagram é a plataforma social mais poderosa do mundo. O estudo mostrou que ele tem 15 vezes a taxa de engajamento do Facebook, proprietário do Instagram. Para Scott Galloway, professor de marketing da Universidade de Nova York e co-fundador do L2, é melhor ter 150 milhões de usuários que são 15 vezes mais engajados do que um público de 1,3 bilhão (número de usuários do Facebook).

Galloway também comparou o Instagram ao Pinterest. “As pessoas se apaixonaram pelo Pinterest, mas não é como o Instagram. É um terço do tamanho do Instagram”, disse Galloway. “O Instagram é parte das nossas vidas, e o Pinterest é um recurso usado quando estamos redecorando nosso apartamento.” O Instagram tem mais de 150 milhões de usuários, e o Pinterest tem apenas 50 milhões, com apenas um quarto desses usuários se engajando ativamente com a plataforma todos os dias. No Instagram, quase dois terços dos usuários interagem diariamente. Ou seja, das 150 milhões de pessoas que têm conta no Instagram, aproximadamente 90 milhões usam a ferramenta diariamente. Já no Pinterest, dos 50 milhões cadastrados, apenas 12 milhões se engajam ativamente. Isso significa que os dólares gastos no Instagram vão ter quase sete vezes o retorno dos investidos no Pinterest”, disse Galloway. Além disso, ele afirma que o tráfego do Facebook para as marcas não se converte em compras, e o tráfego do Twitter para os sites das marca é quase inútil.

Helena Bordon participa de campanha mundial do Skype para entrar no ambiente criativo

07/01/2014

por | Techno

Print de Helena Bordon tirada do vídeo do Skype ©Reprodução

O Skype, além de uma ótima ferramenta de comunicação, agora também está investindo no mundo criativo com foco em um público jovem viajado e com gosto por moda e cultura. A ideia é desenvolver vídeos atendendo algumas curiosidades do público em uma ação global.

Em um dos vídeos, o tema abordado é a moda, em uma série nomeada “The Spark”, que debateu a pergunta: “Como você começou no mundo da moda?”. A entrevista foi comandada pela apresentadora e jornalista Louise Roe, em Londres, com jovens nomes de destaque no mercado global, como a designer de joias Pamela Love e a blogueira Tina Craig, do bagsnob.com. Do Brasil, Helena Bordon foi a escolhida para participar. As conversas aconteceram via Skype das cidades onde as meninas vivem, como Nova York, Texas e São Paulo.

Elas respondem a questões que vão desde suas inspirações, os aprendizados e os conselhos que as ajudaram no início da carreira.

“Meus amigos sempre me pediam dicas de viagens e lugares bacanas para visitar, e também dicas de moda, porque minha mãe trabalha com moda desde os 18 anos, então eu a acompanhava nos desfiles em Milão e Paris. Eu queria compartilhar tudo o que sabia sobre moda e viagens, então decidi fazer o blog para facilitar as coisas”, conta Helena sobre como começou. Isso e mais sobre Bordon em uma entrevista que fizemos com ela

canal de colaboração do Skype já tem aproximadamente 20 vídeos e matérias sobre moda, entre eles a história da carreira de Victoria Beckham e dicas de estilo.

“Brasil é o que mais cresce em e-commerce”, diz diretora do eBay, que lança app de moda no país

18/10/2013

por | Techno

O aplicativo de moda do eBay no iPhone ©Reprodução

Recentemente, o eBay lançou no Brasil o seu aplicativo de moda para Android e IOS, o eBayModa, em português e com preços em real. Além de comprar os produtos, você pode também acessar uma seção de street style, criada em parceria com o blog Chicisimo, e comprar peças parecidas (ou até mesmo iguais) às das fotos. O aplicativo tem também a seção de flash sales (promoções relâmpago), em que algumas marcas expõem os seus produtos por um preço especial durante um curto período de tempo.

Focado no seu reposicionamento – o eBay passou de um site de leilões para um e-commerce respeitado em que 70% dos produtos são novos -, o site hoje está investindo na área de moda, uma das que mais crescem no comércio virtual, principalmente nas plataformas móveis como smartphones e tablets.

O FFW conversou com Johnna Hoff, diretora de comunicações do eBay, sobre os próximos passos do e-commerce no Brasil, como funciona o novo aplicativo e qual o futuro do comércio virtual. Leia abaixo a entrevista:

Quais são suas impressões sobre o Brasil?

É a minha quarta vez em São Paulo, não conheço mais nada do Brasil. O Brasil tem uma visão muito única da moda e lança muitas tendências. É um mundo muito específico, comparado a outras capitais da moda. Parece que no Brasil todo mundo tem looks diferentes e únicos, o que é muito inspiracional, vir aqui e ver as tendências e as marcas que as pessoas estão usando e como elas as misturam. Notei especialmente nos encontros com imprensa e formadores de opinião, que o street style é muito orgânico e autêntico, você vê pessoas andando na rua com estilo próprio. Da perspectiva do eBay, onde temos muitos itens para vender, desde produtos vintage a peças mais hypadas, o Brasil torna-se um destino muito inspirador para a moda.

Johnna Hoff, diretora de comunicações do eBay, em conversa com o FFW ©FFW

E como você vê o comércio online no Brasil?

O que é incrível no Brasil, e em outros mercados que se estão formando em termos de e-commerce, é o crescimento do segmento e das oportunidades. O Brasil é um dos que mais crescem em comércio virtual, especialmente em smartphones e tablets, a perspectiva é fenomenal para os próximos anos.

O que mudou no eBay nos últimos tempos?

O eBay começou como um site de leilões, onde a maior parte dos itens era vintage ou usada. Agora o eBay está completamente diferente. Mais de 70% dos produtos são novos. Embora ainda tenha um portfolio vintage muito grande, os consumidores nos disseram que queriam comprar produtos novos de vendedores de confiança, que é isso que o eBay proporciona. Para nós foi uma viagem de muitos anos. Uma das razões pelas quais o eBay quis focar em moda é porque moda é uma das categorias que mais crescem no site, independentemente do país em que estamos. Os primeiros passos que demos foi pesquisar o que os consumidores querem em diferentes partes do mundo. E o que eles nos disseram é que queriam uma experiência simples, que o site fosse limpo, consistente, que tivesse informação de rastreamento da encomenda. Pegamos tudo isso, começamos as alterações e redesenhamos completamente o site.

E em que consiste o eBayModa?

Temos o eBayFashion em outros países, mas este é criado especialmente para o Brasil. É o primeiro produto localizado para o comprador no Brasil. Os preços estão em dólares e em reais. O inventário e o layout é pensado para os consumidores no Brasil, e temos uma seção de flash sales (vendas relâmpago) e uma seção inspiracional que eu acho que é um grande diferencial. Durante muito tempo, o eBay era um lugar onde você ia para comprar um produto específico. Mas ele evoluiu para aquilo que nós chamamos de um endereço inspiracional. Você acessa o site quando sabe o que quer e quer comprar imediatamente, ou quando quer ter só uma ideia de uma seleção de produtos.

Como funciona essa seção de inspirações?

O eBay Moda tem uma parceria com o Chicisimo, um site que reúne imagens de street style do mundo inteiro, onde as pessoas se cadastram e fazem uploads do seu look. Aí você navega pelas imagens que servem como inspiração e o aplicativo sugere peças similares ou às vezes até as mesmas peças. O que nos interessa no eBay é dar às pessoas a oportunidade de comprar no momento da inspiração. Quer estejam em um café, no trabalho ou andando pela rua, é importante que as pessoas possam pegar no telefone e comprar produtos.

Para você, qual o grande diferencial do eBay para a moda?

Qualquer pessoa pode vender no eBay. Quer você esteja começando uma marca, quer você seja uma marca grande. A beleza do eBay é que existimos sempre com o objetivo de viabilizar as relações comerciais.

Vocês fazem muitas colaborações de moda?

Em mercados onde já estabelecemos uma presença fazemos muitas colaborações. Em Nova York fechamos uma parceria com o CFDA para uma campanha chamada “You can’t fake Fashion” (você não pode falsificar a moda) em que os designers desenhavam sacolas exclusivas para o eBay, para que as pessoas soubessem que a maior parte do inventário do eBay é verdadeiro e que trabalhamos com vendedores de confiança. E tem um papel educacional também, que alerta as pessoas para o problema das falsificações.

E no Brasil?

No Brasil estamos só começando, mas temos grandes planos. Estamos felizes com a oportunidade de colaborar com alguns designers locais. Vamos ter mais novidades para comunicar no fim do mês, agora não posso adiantar muito mais. (risos)

Qual será o maior desafio da marca no país?

A logística de entrega. Estamos trabalhando para entender como podemos melhorar isso. E como podemos trabalhar melhor as formas de pagamentos.

Como vocês no eBay veem o futuro do comércio virtual?

O nosso CEO e presidente, John Donahoe, diz que o varejo vai evoluir mais nos próximos três anos do que evoluiu nos últimos 20. É rápido, fluido e é devido às plataformas móveis. O comércio há cinco anos era uma experiência completamente off-line. Mas agora as compras são uma mistura de off-line com online, e enquanto marca ou vendedor, você quer estar onde o consumidor está. Como você faz isso é que está evoluindo muito rápido: primeiro com os smartphones e agora com os relógios. O eBay vai ser um dos primeiros e-commerces a estar presente no novo relógio da Samsung, por exemplo. Então o consumidor pode comprar em qualquer plataforma. E cabe aos vendedores se manterem a par disso.

Fendi investe no digital com perfil em redes sociais e nova plataforma de conteúdo

18/09/2013

por | Techno

Preview da Fendi Life, nova plataforma da Fendi ©Divulgação

A Fendi lança nesta terça-feira (17.09) a sua nova plataforma digital Fendi Life. A ferramenta está hospedada dentro do site da marca e vai compartilhar conteúdos exclusivos como entrevistas interativas com Karl Lagerfeld e Silvia Venturini Fendi, documentários de backstage e imagens de inaugurações de lojas e exposições mundo afora.

O projeto vai ser inaugurado oficialmente com o Fendi Day, que acontece na quinta-feira (19.09), no mesmo dia do desfile da grife durante a semana de moda de Milão Verão 2014. Nesse dia, os internautas poderão assistir ao show em tempo real por meio de live streaming, acompanhar o agito da abertura de uma nova loja na cidade, na avenida Montenapoleone, e visitar virtualmente a exposição “Making Dreams: Fendi and the Cinema”, que celebra a relação entre a marca e o cinema.

Além da plataforma, a Fendi inaugurou também o seu perfil no Twitter e no Instagram. “A nossa estratégia digital tem como objetivo aumentar o posicionamento da marca em um futuro próximo. A nossa ambição é que a Fendi Life se torne uma ferramenta única e excepcional para explorar o mundo da Fendi e que seja um marco para os nossos fãs”, diz Pietro Beccari, Chairman e CEO da Fendi.

Pinterest se associa a marcas, personalidades e veículos fortes para novo canal de moda

29/08/2013

por | Techno

Imagem da página da blogueira Keiko Lynn no Pinterest ©Reprodução

O Pinterest criou sua primeira grande ação para a temporada de desfiles de moda, que começa dia 5 de setembro em Nova York. O site, que existe há três anos e é um lugar onde podemos passar horas a fio olhando painéis e mais painéis, tem uma grande comunidade de moda nos dois lados do negócio: postando e pesquisando.  Mais de dois milhões de pins com relação à moda são publicados diariamente. Ainda não entrou no Pinterest? Clique aqui para saber tudo sobre o canal

Para massificar o novo canal pinterest.com/fashionweek, o site se associou a cerca de 100 “insiders” entre estilistas, fotógrafos, modelos, blogueiras e marcas. Já estão no projeto grifes como Michael Kors, Oscar de la RentaPhillip Lim e Kate Spade; publicações como Huffington Post Style, PopSugar e Elle; os blogs Garance Doré e Man Repeller; e a loja Nordstrom. Mais participantes serão anunciados nos próximos dias.

A ideia é que eles pinem durante as semanas de moda, popularizando mais ainda o canal com imagens exclusivas, fotografadas em lugares ou de ângulos que poucas pessoas têm acesso.

A página já está no ar indicando painéis de pessoas famosas e influentes no mundo da moda, como a modelo Coco Rocha, o estilista Peter Som e a empresária Lauren Santo Domingo. Ainda serão anunciados que personalidades cobrirão qual capital fashion (Nova York, Londres, Milão ou Paris) durante a temporada.

Segundo uma pesquisa da ComScore, que faz análises para o mundo digital, o Pinterest registrou um crescimento de 36% em relação ao ano passado. Em julho de 2013, o site recebeu 47 milhões de visitantes únicos. “Sei que temos milhões de pessoas que olham para o Pinterest para se inspirar na moda e sabemos que centenas de marcas e designers usam o Pinterest com o mesmo propósito”, diz a diretora de marketing Katie Garlinghouse, em entrevista ao “WWD”. “Queríamos conectar esses dois pontos um pouco mais, proporcionando uma experiência de engajamento aos nossos usuários que adoram moda”.

Apesar do hype em torno do site e dele estar avaliado em US$ 2,5 bilhões, a rede ainda não tem uma renda fixa nem publicidade em suas “páginas”. “Primeiro estamos criando uma comunidade entusiasmada e cuidando do engajamento do usuário e de suas paixões. Estamos ainda trabalhando para ver como a monetização entra nessa história e quando chegarmos lá, será algo complementar aos nossos usuários. É um trabalho em constante andamento”.

Um dos sites mais bacanas do momento e ótimo passatempo, o Pinterest é de fato um grande painel criativo e fonte de referências para interesses distintos, que vão de jardinagem a maquiagem a gastronomia e casamento. Siga os canais da equipe do FFW no Pinterest: Augusto Mariotti, Camila Yahn, Sarah Lee, Andreia Tavares e Carla Valois.

Tags:

Karl Lagerfeld vira personagem de video game online; tente roubar seus óculos escuros

20/06/2013

por | Techno

Karl Lagerfeld em sua versão Tokidiki ©Reprodução

Karl Lagerfeld virou personagem de video game para divulgar a nova coleção de óculos de sua marca homônima. No jogo, controlado apenas pelo mouse, o objetivo é tentar tirar do rosto do estilista os seus inseparáveis óculos escuros – o que não é fácil, já que ele tem agilidade ninja em sua versão online, desenhada com a marca Tokidoki e desenvolvida pela agência Buzzman.

A iniciativa foi lançada em parceria com a Optic 2000, distribuidora exclusiva dos óculos Karl Lagerfeld na França. Só quem mora lá pode concorrer a prêmios de acordo com sua habilidade no mouse, mas o jogo não deixa de ser divertido; nas tentativas frustradas ou na demora de tirar os óculos do boneco, ele resmunga (em francês) coisas como “Você precisa de óculos” e “Ah, você finalmente acordou”.

Para jogar, é só acessar jeveuxleslunettesdekarl.com e, após a introdução, clicar em “J’accepte le défi”. O personagem de Karl Lagerfeld vai ficando mais ágil a cada nível alcançado.

Esta não é a primeira vez que o designer vira personagem de video game; em 2008, ele fez uma participação especial no jogo Grand Theft Auto.

E-commerce

06/06/2013

por | Techno

 Home do e-commerce masculino Estilo Certo ©Reprodução

A compra online já é uma realidade da qual marcas de todos os segmentos não podem mais fugir. Apesar de uma grande adesão a esse tipo de serviço, o Brasil ainda não se compara a países como os Estados Unidos, o número 1 em compras pela web. Hoje, tem muita gente que nem visita mais as lojas físicas, que estão começando a funcionar mais como um showroom, em que o público tem uma experiência com o material e o conceito da marca, mas deixa para efetuar sua compra no ambiente online. As grifes que nascem hoje optam por existir na internet e já não acham necessário um espaço físico.

Segundo previsões do e-bit, que avalia a satisfação de consumidores em suas compras na internet, o comércio virtual vai movimentar, até o final de 2013, cerca de R$ 28 bilhões, apresentando um crescimento de 25% em relação ao ano passado. Moda e acessórios aparecem como a segunda categoria que mais vende online, perdendo apenas para os eletrodomésticos.

Para confirmar as suspeitas do crescimento do mercado, em fevereiro deste ano, a empresa e.Bricks Digital e a M. Sense realizaram a segunda edição da pesquisa “E-commerce de moda no Brasil” (a primeira foi feita em julho de 2011) com o objetivo de mapear o perfil dos consumidores de moda e acessórios, procurando entender o que eles consideram vantajoso no comércio online e o que ainda pode ser melhorado. “Trata-se de um mercado recente e com altíssimo potencial de crescimento”, diz Fabio Bruggioni, CEO da e.Bricks Digital.

Fabio Bruggioni, CEO da empresa eBricks Digital ©Divulgação

De 2011 para cá, o consumo de moda e acessórios pela internet aumentou 50%, com um crescimento significativo do mercado masculino. O Net-a-Porter, em primeiro lugar no ranking dos e-commerces de moda, se desdobrou em 2011 para o Mr Porter, o seu braço masculino, enquanto que no Brasil, sites como o Estilo Certo reúnem não só roupas de várias marcas como também dicas de looks e guias de estilo em formato de editoriais, para ajudar os homens na escolha certa. De acordo com os resultados da pesquisa, a maioria das mulheres se considera uma consumidora moderada, enquanto os homens se dividem entre racionais e econômicos.

Bruno Maletta, sócio da M.Sense, acredita que o crescimento se deve principalmente ao preço competitivo face às lojas físicas e à melhoria das condições de entrega. “O crescimento expressivo no segmento de moda ocorreu por conta dos melhores preços do canal online – não só o valor mais baixo, mas a possibilidade de buscar as melhores opções -, e na percepção de melhoria nos processos dos lojistas na entrega e na segurança de pagamento”, afirma. Os preços no mercado online conseguem ser mais competitivos devido à falta de uma estrutura física que geralmente traz mais encargos para a marca, e o processo de entrega de produtos tornou-se mais rápido, mais fácil e menos burocrático.

Apesar do crescimento significativo, o mercado de moda online ainda tem muito espaço para crescer no país. “O Brasil é o número dois no Facebook e no Twitter. No caso da Farfetch, é o único país em que o Facebook funciona de verdade e vende. Mesmo assim, o público brasileiro ainda não aderiu às compras online. Apenas 2% das transações no país são online. Fora do Brasil esse número aumenta para 15%. O Brasil representa 9% do nosso faturamento global”, diz José Neves, fundador do Farfetch, em entrevista ao FFW, e a pesquisa confirma.

Que o e-commerce é a loja do futuro, não restam dúvidas, e a (r)evolução está chegando cada vez mais rápido. Hoje em dia, quem não implementar este pensamento em seu plano de negócios vai perder em vendas, clientes e competitividade.

*Foram ouvidas 1.700 pessoas, entre 18 e 55 anos, das cinco regiões do país. A amostra principal foi composta por 65% de mulheres. Nesta segunda edição da pesquisa, também foram ouvidos homens (35%). Dos entrevistados, 34% têm entre 25 e 34 anos, 49% são da região Sudeste e 47% pertencem às classes B2/C1.

Conectado

14/02/2013

por | Techno

Topshop fecha parceria com Google para a semana de moda londrina ©Reprodução

Para a semana de moda de Londres, que começa nesta sexta-feira (15.02), a Topshop se juntou ao Google para transformar a sua apresentação do dia 17.02 em um grande evento, unindo moda à inovação e tecnologia. A campanha, intitulada “The Future of the Fashion Show”, vai permitir aos usuários assistir ao desfile da marca (que nesta temporada será no espaço The Tanks, na Tate Modern) sob várias perspectivas. Como? Modelos como Cara Delevingne, Jourdan Dunn e Rosie Tapner serão equipadas com câmeras e permitirão aos espectadores assistir todo o evento a partir da sua visão. A filmagem das “Model Cams” será projetada durante o desfile em todas as plataformas digitais, como o site da Topshop e o perfil da marca no Google+ e no Youtube.

“Estamos maravilhados em poder trabalhar com a Topshop para juntar os fãs da marca e permitir que eles vivenciem o desfile desta temporada através de todas as perspectivas possíveis. A Topshop fez um trabalho incrível em criar uma experiência sem precedentes por meio de uma série de tecnologias do Google para conectar os fãs às modelos, designers e pessoas influentes do mundo da moda”, disse à “Vogue” britânica o diretor global de marketing do Google+, Marvin Chow.

A ação conta ainda com um diário digital, “Road to the Runway”, que mostra como é o dia de uma modelo durante uma semana de moda, e ainda com o aplicativo “Be the Buyer”, que dá dicas sobre o que comprar da coleção nova, com a ajuda dos conselhos de blogueiras internacionais. O usuário pode ainda conversar com a equipe de design da Topshop, que estará ao vivo na sede da marca respondendo a perguntas após o desfile.

Veja abaixo o vídeo da ação:

Online

07/02/2013

por | Techno

©Reprodução

De acordo com o “Adweek”, quanto mais o Pinterest cresce, mais é possível perceber que as marcas de moda não conseguem acompanhar seu consumidor, ao menos não virtualmente. Apesar de a página da franquia americana da H&M ser bastante popular na plataforma – alguns de seus produtos têm mais de 145 mil interações, entre pins, repins, likes e comentários –, a rede varejista sueca lucra menos do que poderia, já que suas imagens mais compartilhadas levam a links inativos.

A Curalate, empresa que monitora o Pinterest, afirma que parte do problema se deve à divisão que as empresas geralmente fazem entre o departamento de mídias sociais e marketing digital e a seção que mantém seus respectivos e-commerces. A falta de sincronia entre as duas áreas faz com que peças populares em redes sociais esgotem nos sites de compras online com rapidez e assim saiam do ar, ou seja, em vez do consumidor ser redirecionado para o site da marca, onde poderia achar um produto semelhante, cai em uma página “morta”.

A solução, segundo o CEO da Curalate, Apu Gupta, é simples: aumentar a comunicação entre os responsáveis pelo marketing digital da marca e seu e-commerce, criar páginas que informem que o produto está sem estoque e redirecionar o consumidor. A lição, na verdade, vale para todas as empresas que se disponham a vender online, sejam elas de moda, beleza ou tecnologia.

Tags:

Strike a pose!

05/02/2013

por | Techno

Página inicial do Pose ©Reprodução

Se você gosta de moda, beleza e looks do dia e sente falta de um aplicativo que reúna tudo, esta matéria é para você. O Pose, ou Instagram da moda, como já é conhecido, tem fotos e vídeos de looks do dia, tutoriais e tem tudo para se tornar o novo app preferido da turma fashionista. O aplicativo foi fundado em fevereiro de 2010 por Dustin Rosen, em Los Angeles, aproveitando a oportunidade de mercado do crescimento dos blogs de moda e do sucesso de aplicativos de fotos, como o Instagram. Para entrar, é igual a qualquer outra rede social – você cria uma conta, que pode estar linkada com o seu Facebook, e começa a postar as suas “poses” e a seguir as “poses” dos seus amigos. Em comparação com o Instagram, para os amantes de moda, o Pose apresenta algumas vantagens. Como só tem conteúdo de moda, nenhum dos usuários posta fotos que não se enquadrem no tema.

Imagem postada pela stylist das celebridades, Rachel Zoe ©Reprodução

Os usuários podem separar os seus looks preferidos, mais ou menos ao estilo Pinterest, dividindo e organizando nos quadros “Collections” – Roupa de noite, Manicure, Cabelo, etc. Além de tudo isso, o Pose está disponível para iPhone e Android. E claro, tem a vertente comercial: peças de roupa postadas são “tagueadas” com a marca e com o preço que, desde setembro passado, está linkado com o e-commerce da marca. O usuário que postou a foto ganha uma pequena participação e o aplicativo também. “Somos uma revista de moda no celular, uma ótima forma de as mulheres gastarem cinco minutos na troca de informações”, diz o CEO e fundador do aplicativo, Dustin Rosen. Além disso, o Pose está explorando formas de ganhar mais dinheiro com anunciantes. “Estamos procurando oportunidades para as marcas, mas não queremos entrar no negócio vendendo banners no fundo do aplicativo, queremos estar integrados de forma mais inovadora”, acrescenta.

Foto de Coco Rocha no Pose ©Reprodução

Entre os usuários do Pose, está a top Coco Rocha, conhecida pela sua forte atividade nas redes sociais. Depois de um ano com perfil no aplicativo, Rocha tem o dobro do número de seguidores que tem no Instagram, 610 mil por oposição aos 314 mil do aplicativo de fotos. “A ideia é um ótimo modelo de negócio para fashionistas jovens e é uma forma inovadora e legítima de monetizar redes sociais”, diz a modelo. Rachel Zoe e o seu marido, Rodger Berman, são os maiores investidores da marca.