Projeção high tech no MASP conta história da moda e da arte no Brasil

Fachada do MASP ©Reprodução

Como comemoração ao aniversário de São Paulo, no dia 25 de janeiro, o Ministério da Cultura e as Havaianas vão patrocinar uma projeção na fachada do Museu de Arte de São Paulo, MASP, que conta de forma dinâmica a história da moda e da arte no Brasil desde os anos 20, mais precisamente da Semana de 22 (que comemora os seus 90 anos em 2012) até aos dias de hoje.

A projeção, intitulada Luz e Movimento com Arte e Moda Brasileira, vai acontecer nos dias 25, 26 e 27 de janeiro e conta com a curadoria de João Braga, professor, pesquisador e escritor, especialista em História da Arte pela Faap, pós-graduado em História de Indumentária pelo Instituto Paulista de Museologia e especialista em História da Moda pela Esmod de Paris.

Exibida gratuitamente a céu aberto, a projeção consiste em uma videoarte, concebida especificamente para o espaço a que se destina, com técnica de mapping – projeção monumental – que se propõe a contar a história da cultura e da arte brasileira como parte da identidade nacional.

Um dos cartazes promocionais da Semana de 22 ©Reprodução

História essa que teve o seu início mais marcante na Semana de 22 ou Semana de Arte Moderna, que ocorreu em São Paulo em fevereiro de 1922 no Teatro Municipal, contando com a presença e participação de nomes ilustres do panorama do modernismo brasileiro como Mário de Andrade, Oswald de Andrade e Tarsila do Amaral, bastante influenciados pelas correntes artísticas europeias que criaram uma semana totalmente voltada à vanguarda artística e que dedicava um dia a cada área desde a pintura e escultura até a poesia, literatura e música.

Este marco na história da cultura nacional, que representou uma renovação na linguagem e na apresentação das várias formas de arte, está agora representado neste evento comemorativo de luz e cor que promete mostrar, ainda que resumidamente, a evolução cultural na Moda e na Arte.

“Luz e Movimento com Arte e Moda Brasileira”
Local: Museu de Arte de São Paulo – Avenida Paulista, 1578
Data: 25, 26 e 27 de janeiro de 2012
Horário: Das 20h às 24h

Tags:

Choque Cultural invade o Masp com grande mostra sobre arte urbana

15/08/2011

por | Cultura Pop

masp1Trabalho assinado por Chu ©Divulgação

Nesta terça-feira (16.08) uma exposição que pretende abordar (e mudar) a ideia de arte pública abre no MASP. A iniciativa para “De dentro e de fora” foi do curador do MASP, Teixeira Coelho, e conta com curadoria especial de Baixo Ribeiro, Eduardo Saretta e Mariana Martins, da Choque Cultural. A mostra abre amanhã apenas para convidados e, a partir de quarta-feira (17.08) estará aberta ao público até 23 de dezembro.

A exposição traz obras de artistas nacionais e estrangeiros, como o Space Invader, Swoon, Remed, Tec e o coletivo Bijari e completa a iniciativa “De dentro para fora/De fora para dentro”, que entre 2009 e 2010 apresentou a arte urbana produzida no Brasil, em uma linda exposição que mostrava bem esse panorama de jovens artistas que estavam sobressaindo no mercado e ganhando as galerias do mundo. Nessa edição, os participantes gringos promoverão intervenções ao vivo no museu e nas imediações.

A ideia central da mostra é provocar no público a experiência de não saber onde está a arte. Ela pode estar em qualquer lugar, dentro ou fora do museu. O intuito dos organizadores é experimentar o trabalho colaborativo, com a participação do público em vários níveis, ter instalações coletivas e manter diálogo com a arquitetura de Lina Bo Bardi, com a paisagem urbana e humana da cidade.

340da3a3140028780c2c4754987008275ab7f7a6f20cd84688127471e31970ff5gO misterioso Invader também participa da mostra ©Divulgação

A exposição propõe uma parceria com o público, que é convidado a passear  por todo o espaço do Masp.  Como há obras que ficam mesmo do lado de fora, o público acaba saindo do museu sem sair por inteiro da mostra.

O projeto “De dentro e de fora” pretende oferecer ainda um amplo programa educativo, trazendo especialistas, professores, representantes do poder público e estudantes para dialogarem. As principais ações já estão programadas: um seminário sobre arte pública e urbana, sobre economia criativa e o futuro da cidade; um curso sobre arte, história e contemporaneidade em parceria com a Escola do Masp; e um festival de vídeos da cultura urbana, que será realizado uma vez por mês. Mesas redondas e outras atividades envolvendo as obras e os artistas participantes também estão previstos. Acompanhe a programação completa do projeto no site oficial.

Mas a melhor coisa para se inteirar sobre o assunto é fazer uma longa visita à exposição e se deliciar com o grande colorido dessa geração.

De dentro e de fora no MASP

De 17 de agosto a 23 de dezembro
De terça a domingo e feriados, das 11h às 18h; às quintas, das 11h às 20h.
Ingressos: R$ 15 (estudantes pagam R$ 7. Crianças até 10 anos e idosos acima de 60 não pagam. Às terças a entrada é livre para todos)
MASP (Av. Paulista, 1578, São Paulo)

Lançamento do Discovery Channel para avenida Paulista com intervenção urbana

05/05/2011

por | Verde

projecao-masp-discovery-channel-10Projeção no MASP ©Daniel Ayub/FFW

O Discovery Channel realizou na quarta (04.05) à noite um festival de imagens e sons em plena Avenida Paulista, em que cenas da sua nova série-documentário, “Planeta Humano“, foram projetadas na fachada do prédio do MASP.

A projeção por mapeamento 3D foi realizada pelo grupo de videomakers e diretores BijaRi, que apesar de ter competido com a intensa iluminação urbana do local, chamou a atenção de todos que passavam pela mais famosa avenida de São Paulo. A técnica fez com que a fachada ganhasse volume e movimento, que unidos a uma trilha sonora orquestrada, deram um show que durou até as 22h. Não é a primeira projeção que os Bijaris fazem no MASP. Todas as intervenções urbanas do grupo podem ser conferidas no site oficial.

O evento também atraiu os desavisados que passavam pelo outro lado da avenida, já que o vão livre do MASP tornou-se um espaço para uma fantástica exposição de fotografias sobre o tema da série. Infelizmente, a estadia das obras só durou o tempo do evento.

Exposição de Fotos no MASP - Discovery ChannelExposição de fotografias no vão livre do MASP ©Daniel Ayub/FFW

A série, produzida pela BBC e o Discovery Channel, estréia dia 12 de maio, às 22h, e mostrará em seus oito episódios as maneiras pelas quais o ser humano conseguiu se relacionar com a natureza para assim torná-la o seu habitat.

Oceanos, montanhas, selvas, savanas, rios, o ártico, desertos e a cidade são os temas dos episódios, que têm Milton Nascimento como narrador em suas versões traduzidas.

Veja o trailer do primeiro episódio, “Oceanos”:

Arquiteta do SESC Pompeia também desenhava roupas e joias

Por Patrícia Favalle

A manhã desta terça-feira (18/01) escreve mais um importante capítulo da história da moda brasileira: a grife Maria Bonita apresenta sua coleção de Inverno 2010 nas dependências do SESC Pompeia, um dos edifícios erguidos pela arquiteta ítalo-brasileira Achilina Bo Bardi.

Mais conhecida pelo seu apelido, Lina costurou um jeito irreverente de traçar a arquitetura. Criadora do edifício que abriga o Museu de Arte de São Paulo, o MASP (já reparou como ele parece levitar nos entornos da avenida Paulista?); da Casa de Vidro, onde atualmente funciona a sede do Instituto Lina Bo e Pietro Bardi; do Museu de Arte da Bahia; e do Centro de Convivência Vera Cruz, entre tantos ambientes urbanos, sua imaginação cedeu leveza ao concreto.

Maria Bonita - SPFW Inverno 2010O edifício que abriga o SESC Pompeia, arquitetado por Lina Bo Bardi: uma ode ao modernismo em formas transgressoras © Rafael Cañas/Agência Fotosite

O desfile que acontece no SESC Pompeia é um dos passos que vai ajudar na reabertura da Casa de Vidro, onde se encontra um acervo museológico de Lina: a Maria Bonita vai doar as cortinas feitas especialmente para o local.

Convidamos Anna Carboncini, diretora do Instituto, para contar mais sobre Lina, sem dúvida, uma das personalidades mais importantes da cultura nacional.

Como você descreveria Lina Bo Bardi?
Arquiteta, designer e pensadora. Chegou ao Brasil em 1946 na companhia de Pietro Maria Bardi, com quem acabara de se casar, para uma viagem que duraria dois anos. Entretanto, a conectividade e a simpatia que sentiram pelas pessoas e lugares os inspirou a ficar.

Como foi este momento?
Desde o começo eles atuaram no campo das artes e da arquitetura, áreas em que tinham vastos conhecimentos. Logo colocaram em prática as ideias amadurecidas na Itália e o fizeram com generosidade e inteligência. Lina, nos seus escritos, utilizou muito o termo ‘liberdade’.

E como esse ideal marcou o trabalho dela?
Acredito que ela foi guiada por esta maravilhosa sensação de poder conhecer o brasileiro e entendê-lo. Por conta disso, conseguiu resgatar a mão de um povo visto em toda sua imaginação e simplicidade. Nos seus projetos é possível detectar espaços públicos marcados pela grandiosidade e pelos detalhes de cada linha.

Em resumo…
As pessoas sentem que aqueles endereços foram criados para elas, onde podem ser acolhidas e respeitadas.

Além das casas e de outras estruturas de vanguarda, Lina também assinou a criação de móveis e joias. Pode falar um pouco sobre esta produção?
Em 1951, o Pietro Bardi, então diretor do Museu de Arte de São Paulo, mostrou um desfile da Dior com modelos e roupas originais da maison. A partir deste evento nasceu a ideia de fazer a mesma coisa para a moda nacional. O Museu abriu estúdios onde foram desenvolvidos os tecidos, muitos deles num tear manual, os esboços das coleções e a confecção das peças. O resultado foi apresentado em 1952, num desfile dedicado apenas aos criadores nacionais. Vale lembrar também que Lina desenhava as roupas e as joias que usava. No segundo caso, era notória a preocupação dela em enaltecer e divulgar as pedras brasileiras.

As obras de manutenção que suspenderam as visitações à Casa de Vidro já foram finalizadas?
O Instituto está se preparando para a reabertura ao público. Nesse sentido, a parceria com a Maria Bonita é muito bem-vinda (a grife oferecerá as cortinas da casa), e aguardamos a colaboração de outras empresas para finalizarmos essas mudanças.

Como definiria a relação do casal Bardi com a cidade de São Paulo?
Deixaram tudo o que tinham para o Brasil, especialmente, para a capital paulistana, como demonstração de apreço e de agradecimento pela acolhida que tiveram por aqui.

Instituto Lina Bo e Pietro Bardi
e-mail: institutobardi@institutobardi.com.br
tel.: (11) 3744.9902 e 3744.9830
+ institutobardi.com.br

SESC Pompeia
ONDE Rua Clélia, 93 – São Paulo – SP
CONTATO (11) 3871.7700
COMO CHEGAR Veja o mapa

MASP
ONDE Avenida Paulista, 1578 – Bela Vista, São Paulo – SP
CONTATO (11) 3251.5644‎
COMO CHEGAR Veja o mapa

Skyland e suas pólos customizadas. Marca de sportswear abre loja no Jardins e faz parceria para linha limitada

24/11/2009

por | Moda

241120091531501877178459

A Skyland, grife focada em peças de sportswear como camisas pólo e jeans, arma festa na noite dessa terça-feira (24/11) no MASP, em São Paulo, para celebrar a nova loja da marca na rua Oscar Freire e o lançamento da coleção de alto-verão.

Para ocasião a marca ainda convidou alguns profissionais para customizarem a clássicas pólos da marca. Os artistas plásticos Kiko Sobrino e Alessandro Jordão, do Stúdio Mãos Contemporany Arts, aplicaram diversos cristais Swaroski numa camisa pink para dar sofisticação a uma das peças mais tradicionais do guarda-roupa masculino. Já, o stylist Luciano Bortolotti se inspirou na noite para a customização da sua pólo, optando por um modelo preto decorado por elementos que representassem as estrelas, as luzes e os brilhos que encontro pela noite.

O figurinista Fábio Namatame, por outro lado, se inspirou nas armaduras medievais, aplicando detalhes que remetem as proteções de soldados medievais. E a designer Judith Pottecher investiu em uma causa ambiental para criar sua pólo, que tem um tatu bordado.

Depois do evento (que é fechado para convidados), as pólos entram em exposição itinerante por cinco endereços da marca em São Paulo e Campinas.

SPFW indica: “VIK”

24/04/2009

por | Cultura Pop, Gente

“Vik”, a maior retrospectiva já realizada do artista plástico e fotógrafo paulista Vik Muniz, chega ao MASP (Museu de Arte de São Paulo), nessa sexta-feira, 24 de abril. Durante os dois meses em que permaneceu em cartaz no MAM-RJ, a exposição recebeu 48 mil visitantes que puderam conferir as cerca de 200 imagens que compõem as 131 obras da mostra.

Hoje com 47 anos, Vik começou a trabalhar com esculturas, e só adquiriu uma câmera fotográfica aos 27 anos. Foi quando a fotografia passou a ser uma constante no seu trabalho, servindo como registro de suas obras criadas a partir de objetos diversos – linhas, alimentos, sucatarias, arames, terra, lixo, diamantes, catchup, pasta de amendoim, geléia de morango, fumaça de avião, açúcar. Para o artista, a arte não reside nem no material usado, nem no tema: mas sim na relação entre essas duas coisas.

Paulista residente em Nova York, Vik Muniz não suporta pasta de amendoim, principalmente quando consumida nos tradicionais sanduíches americanos, combinada com geleia de morango. Por isso criou uma reprodução do clássico Monalisa, de Leonardo Da Vinci, usando os materiais:

afterwarhol_Double

Atualmente suas obras podem ser encontradas no acervo permanente de museus como o V&A e o Tate Modern, em Londres. Nessa exposição que desembarca em São Paulo encontram-se séries consagradas como “Pictures of Chocolate” (retratos criados através de chocolate derretido), “Pictures of Clouds” (2001), com retratos de nuvens feitas com fumaça de um avião e “Pictures of Garbage” (2009) – essa série, a mais recente do artista, foi feita em parceria com catadores de lixo que transforam sucata em obras de arte sob supervisão de Vik Muniz. Confira abaixo o making of da obra reproduzida a partir do quadro “Narciso”, de Caravaggio:

Confira mais imagens na galeria.

“VIK”
Museu de Arte de São Paulo – MASP
De 24 de abril a 12 de julho
Direção de montagem: Emílio Kalil
Programação visual: Jair de Souza
Vídeos – Fabio Ghivelder
Montagem: Arquiprom / Fernando Arouca
Tel.: (11) 3251 5644