Mark Lanegan leva sua voz dolorida ao palco do Cine Joia

16/04/2012

por | Cultura Pop

Mark Lanegan e banda  em apresentação no Cine Joia ©Juliana Knobel/FFW

A voz rouca de Mark Lanegan parece ter o poder de tocar os mais profundos recintos da alma. Se ao ouvir seus discos solo é quase que impossível não ser dominado por um arrepio, vê-lo ao vivo é experienciar um transe introspectivo em coletividade. Neste sábado (14.04), o cantor, que já veio ao Brasil em outras duas ocasiões, apresentou-se com sua banda no Cine Joia, em São Paulo, na turnê promocional do álbum “Blues Funeral”, lançado em fevereiro deste ano, e ofereceu a seus fãs um verdadeiro espetáculo musical, tecnicamente impecável.

Mark Lanegan em apresentação no Cine Joia ©Juliana Knobel/FFW

Sem afetações, como já esperado pelos que conhecem sua personalidade reservada, Lanegan e sua banda entraram pontualmente às 23h no pequeno palco do Cine Joia – ambiente que combinado às projeções holográficas e à acústica acolhedora da casa parecia transportar o espectador ao universo melancólico do cantor. “When Your Number Isn’t Up”, canção do disco “Bubblegum”, de 2004, foi a primeira a ser tocada, como vinha acontecendo em suas últimas apresentações na América Latina, e preparou o público para a soturna, porém envolvente, “The Gravedigger’s Song”, cantada frase por frase pelos presentes e que terminou em forte ovação.

Apesar da reação cálida da plateia, Lanegan só soltou suas primeiras palavras de agradecimento após a sétima música, “Resurrection Song”, o que em momento algum causou desconforto, já que a condição primordial para apreciar uma apresentação do músico, comparado recentemente a Johnny Cash e Nick Drake pelo jornal britânico “The Guardian”, é mergulhar em cada verso sofrido de suas canções. “Hit the City”, quarta no setlist da noite, que, na versão gravada em estúdio conta com a participação da inglesa PJ Harvey, foi outro desses instantes inesquecíveis em que a interação extremamente ativa do público protagonizou a cena – e, no fundo, com certeza deixou até Lanegan surpreso.

Mark Lanegan em apresentação no Cine Joia ©Juliana Knobel/FFW

Das 17 músicas que compuseram o show de Lanegan, apenas uma não faz parte dos sete álbuns solo do cantor: “Crawlspace”, resquício dos dias de Screaming Trees. Já “Creeping Coastline of Lights”, cover da banda californiana Leaving Trains, faz parte do disco “I’ll Take Care Of You”, de 1999 – disco esse composto apenas de canções regravadas de nomes que influenciaram o americano ao longo de sua carreira. Além da já mencionada “The Gravedigger’s Song”, o fantástico “Blues Funeral” foi representado com mais seis músicas: “Riot in My House”, “Tiny Grain of Truth”, “St. Louis Elegy”, “Harborview Hospital” e as dançantes “Gray Goes Black” e “Ode to Sad Disco”. A icônica “Methamphetamine Blues”, lançada inicialmente no EP “Here Comes That Weird Chill”, de 2003, encerrou a apresentação deixando a sensação de que poderíamos passar outras duas horas imersos na profundidade daquela voz.

+ Confira mais imagens do show:

Mark-Lanegan-Band-Cine-Joia-SP
©Juliana Knobel/FFW

Herói do grunge: tudo sobre Mark Lanegan, que toca sábado em SP

12/04/2012

por | Cultura Pop

Mark Lanegan ©Steve Gullick/Reprodução

Dos tempos áureos do grunge, não restaram muito mais que as lembranças e a bagagem repleta de canções e parcerias musicais bem sucedidas. No entanto, Mark Lanegan, conhecido por ter sido o vocalista da “falecida” banda Screaming Trees, é dono de uma carreira solo de qualidade incontestável. E é como parte da divulgação de seu novo álbum – o poético e melancólico “Funeral Blues” (2012) – que o cantor vem ao Brasil apresentar-se no dia 14 de abril no Cine Joia, em São Paulo.

Lanegan é um verdadeiro sobrevivente do movimento grunge que emergiu de Seattle nos anos 1990 para dominar o mundo. Ao contrário de muitos de seus contemporâneos que continuam até hoje à frente das bandas que os alçaram à fama (Eddie Vedder, Scott Weiland, Mark Arm), o barítono de voz rouca nascido em Ellensburg, pequena cidade do estado de Washington, optou por seguir com seu trabalho autoral que, ao longo de mais de 20 anos de carreira, se desdobra em sete álbuns solo, três ao lado de Isobel Campbell (ex-Belle & Sebastian) e um em conjunto com Greg Dulli (ex-The Afghan Whigs), além das colaborações com o Queens of the Stone Age, Mad Season, Soulsavers, só para citar algumas.

“Nearly Lost You” – Screaming Trees:

“Shadow Of The Season” – Screaming Trees:

“Dollar Bill” – Screaming Trees:

A carreira musical de Lanegan teve início em 1985 ao formar o Screaming Trees – ao lado de Gary Lee Conner, Van Conner e Mark Pickerel. A banda lançou sete álbuns relativamente bem sucedidos (com destaque para “Sweet Oblivion”, de 1992, que em virtude dos singles “Dollar Bill” e “Nearly Lost You” foi o disco de maior êxito comercial do ST), mas apesar de ser considerada uma das mais promissoras da cena grunge, nunca atingiu o sucesso comercial do poderoso quarteto de Seattle composto por Alice in Chains, Nirvana, Pearl Jam e Soundgarden. Em 1991, “The Winding Sheet”, primeiro trabalho solo de Lanegan, foi lançado pelo selo Sub Pop, conhecido por abrigar o Nirvana e o Soundgarden em seus tempos de iniciantes.

Em 1995, já com seu segundo álbum solo (“Whiskey for the Holy Ghost”) disponibilizado, Lanegan colaborou com algumas faixas do disco “Above”, do “super grupo” Mad Season, projeto de Layne Staley (Alice in Chains), Mike McCready (Pearl Jam), John Baker Saunders (The Walkabouts) e Barret Martin. O Screaming Trees passava por um período de hiato e desde 1992 não gravava algo novo; em 1996, no entanto, lançou “Dust”, que viria a tornar-se a última compilação da banda, que pôs fim às suas atividades em 2000.

“Long Gone Day” – Mad Season:

Logo em seguida ao término do Screaming Trees, Lanegan – já com quatro álbuns solo – passou a colaborar com o Queens of the Stone Age. Sua primeira “aparição” na banda de Josh Homme foi no disco “Rated R”, de 2000, onde cantou as músicas “In the Fade”, “Leg of Lamb”, “Autopilot” e “I Think I Lost My Headache”. Após o lançamento de seu quinto projeto individual em 2001, “Field Songs”, o americano uniu-se em caráter permanente (até 2005) ao QOTSA, inclusive participando dos shows e turnês mundiais.

“In the Fade” – Queens of the Stone Age:

“I Think I Lost My Headache” – Queens of the Stone Age:

Lanegan, com sua voz poderosamente rouca, parece não conseguir manter-se parado: em 2004, mesmo fazendo parte full-time do QOTSA, encontrou tempo para compor “Bubblegum”, sexto álbum solo. Neste mesmo período, o multi talentoso artista iniciou uma parceria com Isobel Campbell, ex-vocalista e violoncelista da banda escocesa Belle & Sebastian. Juntamente com Isobel, Lanegan gravou três álbuns: “Ballad of the Broken Seas”, de 2006, “Sunday at Devil Dirt”, de 2008 e, mais recentemente em 2010, “Hawk”. A colaboração recebeu muitos elogios da crítica e até uma indicação, em 2006, ao Mercury Prize.

“Come On Over (Turn Me On)” - Mark Lanegan & Isobel Campbell:

“Revolver” - Mark Lanegan & Isobel Campbell:

Capas dos seis primeiros álbuns solo de Mark Lanegan ©Reprodução

Em 2008, a parceria iniciada com Greg Dulli (ex-Afghan Whigs e atual Twilight Sisters) há mais de cinco anos finalmente rendeu um álbum: “Saturnalia”. Sob o nome de The Gutter Twins, os músicos vieram ao Brasil em julho de 2009 para se apresentar nos palcos do Bourbon Street Music. Além dos trabalhos intimistas com Dulli e Isobel Campbell, Lanegan ainda empreendeu (após o fim do Screaming Trees) colaborações com os britânicos do Soulsavers e do UNKLE.

“The Gravedigger’s Song” - Mark Lanegan Band:

Apesar de tantas boas colaborações, a carreira solo de Lanegan andava meio “estacionada” até o lançamento, em fevereiro deste ano, de “Funeral Blues”. O álbum, que teve Josh Homme (Queens of the Stone Age), Alain Johannes e Martyn LeNoble como contribuidores, mantém o espírito soturno e intimista dos trabalhos pós-Screaming Trees de Lanegan e pode ser considerado uma verdadeira pérola musical. O cantor vem pela terceira vez ao Brasil – além da vinda ao lado de Greg Dulli em 2009, ele veio em 2010 para participar do festival Popload Gig, e, no palco do Cine Joia, vai com certeza emocionar os presentes com sua voz dolorida e suas canções embriagadoras.

“Methamphetamine Blues” - Mark Lanegan:

Capa de “Blues Funeral”, 2012 ©Reprodução

Mark Lanegan @ Cine Joia
Dia 14 de abril
Praça Carlos Gomes, 82
Liberdade, São Paulo – SP

Ingressos: R$ 140 inteira; R$ 70 meia-entrada
+ Cine Joia