Governo de Nova York aprova lei que protege modelos menores de idade; saiba mais

23/10/2013

por | Moda

Coco Rocha, Sara Ziff, o governador de Nova York, Andrew Cuomo, e mais representantes da ONG The Model Alliance durante o anúncio da nova lei estadual que protege modelos menores de idade ©Reproduçao

Em Nova York, as modelos – e, claro, os modelos – abaixo dos 16 anos agora possuem a mesma proteção legal dada às crianças e aos adolescentes que, por exemplo, atuam, cantam e/ou dançam. Após a aprovação quase unânime da lei estadual, assinada pelo governador Andrew Cuomo, Coco Rocha e demais representantes da ONG The Model Alliance, fundada por Sara Ziff, comunicaram a notícia à imprensa nesta terça-feira (22.10).

Muito emocionada, Rocha comentou que, tendo sido ela mesma uma modelo menor de idade, sempre soube muito bem a quantidade de garotas e garotos com menos de 18 anos que trabalham em Nova York, assim como as condições em que vivem. “Estou tão entusiasmada em nos ver dando um imenso salto na direção correta”, disse, adicionando que acredita piamente que a recém-aprovada lei estadual irá mudar o futuro da indústria da moda para melhor.

Em vigor a partir de 20 de novembro, a lei estatual institui a presença de uma pessoa responsável no local de trabalho para cada menor de 16 anos; tal pessoa deverá monitorar tanto a própria atividade realizada quanto a segurança oferecida. Ademais, empregadores serão obrigados a disponibilizar enfermeiros com experiência pediátrica e professores, assim como espaço físico dedicado às respectivas aulas. Está prevista também a criação de um fundo financeiro, em que será depositado ao menos 15% dos rendimentos da criança ou do adolescente contratado.

No Brasil, não existe legislação que enquadre especificamente modelos menores de idade. Há, no entanto, um TAC (Termo de Ajuste de Conduta) em que a Luminosidade, empresa que organiza o SPFW e o Fashion Rio, se compromete a impedir a participação de jovens de menos de 16 anos nos dois eventos.

Look do dia

30/01/2013

por | Cultura Pop

©Reprodução

A marca australiana Sass&Bide contratou a modelo canadense Coco Rocha para, durante uma semana, atuar como fotógrafa de street style da grife. A top, rosto da campanha de Verão 2013, vai ser responsável pelo site e pelas redes sociais da marca, como o Facebook, Tumblr e Instagram, postando fotos do seu “look do dia” durante cinco dias (a ação teve início no dia 28 de janeiro e dura até o dia 1 de fevereiro) com peças da nova coleção. Enquanto isso, os usuários do site podem participar de uma competição online para ganhar um dos looks da marca usado pela modelo.

Looks do dia portados por Coco Rocha ©Reprodução

“Hoje o street style é mais importante do nunca. Teve uma época em que estrelas pop, modelos e atrizes poderiam ir ao supermercado de pijama que ninguém teria prova disso. Agora, com câmeras em todos os celulares, precisamos todos de pensar um pouco melhor no que vestir antes de sair de casa”, diz Rocha à “Vogue” britânica.

Assista abaixo ao divertido vídeo da campanha:

“The Face”

26/07/2012

por | Moda

Naomi Campbell, Karolina Kurkova e Coco Rocha ©Reprodução

A supermodelo que recentemente esteve no Brasil com a Diesel, Coco Rocha, postou esta quarta-feira (25.07) no seu tumblr que ela e Karolina Kurkova iriam se juntar a Naomi Campbell na equipe do novo programa da rede de TV a cabo americana Oxygen, “The Face”. O programa será uma espécie de uma competição em formato de reality show que dará a uma jovem modelo a oportunidade de ser o rosto – “The Face” – de uma conhecida marca americana (ainda não divulgada). A função das tops será treinar equipes de jovens promissoras, e guia-las ao longo de várias tarefas como sessões fotográficas, desfiles e anúncios de marcas americanas, ao longo de etapas de eliminação – não se sabe se será com um júri, com votação do público ou ambos -, até, no final, ser escolhida uma vencedora.

Coco Rocha descreveu ainda no seu tumblr o entusiasmo que sente em trabalhar com  as colegas modelos: “Como a mais jovem mentora das três, sempre admirei o trabalho da Naomi e da Karolina durante toda a minha carreira e estou muito entusiasmada por poder trabalhar ao lado delas neste projeto maravilhoso”. Com estreia marcada para 2013, o programa será apresentado pelo fotógrafo e ex-“America’s Next Top Model” Nigel Barker. As inscrições já estão disponíveis no site de casting do The Face.

“Intimidade coletiva”: a humanização das modelos pelas redes sociais

27/06/2012

por | Moda

Carol Trentini, Madalena e Joaquina ©Reprodução

Expor a privacidade não é mais somente função dos paparazzi. É verdade que tais profissionais continuam a manter aquecido o segmento da indústria do entretenimento voltado à fofoca, mas hoje as próprias celebridades passaram a dividir sua intimidade com o mundo, graças às redes sociais. No que diz respeito às modelos, antes inacessíveis e sempre fotografadas no auge de sua beleza, é comum encontrarmos registros no Twitter, Instagram ou Facebook de momentos íntimos, que boa parte das mulheres se sentiria envergonhada de divulgar, como após acordar ou na saída da academia, sem maquiagem alguma e a bordo de roupas muito diferentes daquelas apresentadas nas passarelas.

O “fenômeno” da “intimidade coletiva” não se restringe às modelos, nem tampouco às celebridades. A inclusão digital possibilitou a livre expressão de quaisquer pessoas, mas é curioso perceber que profissionais anteriormente considerados inatingíveis, e até certo ponto habitantes do imaginário popular, estão, mesmo que de forma involuntária, mostrando sua humanidade a partir do contato virtual. Em algumas ocasiões, é possível que a publicação de determinados conteúdos na internet esteja voltado apenas ao marketing pessoal ou institucional, já que algumas dessas modelos representam grandes corporações. No entanto, em grande parte das imagens lançadas nas redes sociais, o que se vê são momentos de genuína diversão.

Coco Rocha dividiu momentos de sua viagem a Barcelona, em meados de junho, com os seguidores do Twitter, Instagram e Facebook ©Reprodução

Sem dúvida, a confiança adquirida após alguns anos de trabalho facilita que as modelos se sintam à vontade para dividir com os demais as fotografias de momentos em que não estão lá tão perfeitas. Mas, a partir dessa “humanização”, da revelação de que são bem-humoradas e que têm hábitos banais, tais mulheres ganham não somente admiradores de sua beleza, mas também de sua personalidade. Coco Rocha é – já há algum tempo – a grande representante dessa onda de modelos que desejam expressar-se além das imagens plasticamente ideais das revistas, campanhas e vídeos de moda. A canadense tem contas no Facebook, Twitter, Instagram, Tumblr, Pinterest e comanda seu próprio blog.

Adriana Lima, após malhação em março, e Alessandra Ambrósio, que divulgou no início de abril o sexo de seu segundo filho no Twitter e Instagram ©Reprodução

Atualmente, as modelos que não possuem contas em redes sociais são raras – e também menos comentadas. Adriana Lima, Alessandra Ambrósio, Carol Trentini, Isabeli Fontana, Bruna Tenório, Aline Weber, Ana Cláudia Michels e Ana Beatriz Barros são algumas das brasileiras mais ativas no Twitter e Instagram. Adriana, inclusive, já dividiu com seus seguidores imagens em que aparecia vermelha e suada após um dia de academia e, mesmo assim, continuava linda (e exemplo de saúde). Já Alessandra compartilhou na internet momentos marcantes de sua gravidez e até revelou por meio do Twitter o sexo de seu segundo filho. Enquanto isso, Carol, Ana Beatriz e Ana Cláudia publicam com frequência fotografias com seus animais de estimação; por meio dos registros da primeira, as cadelinhas Madalena e Joaquina já são até bastante conhecidas virtualmente.

Jourdan Dunn, Toni Garrn e Karlie Kloss em churrasco no dia 10 de junho ©Reprodução

Entre as modelos estrangeiras, as publicações de Anja Rubik, Anne Vyalitsyna, Behati Prinsloo, Candice Swanepoel e Karlie Kloss sempre surpreendem. Behati e Karlie são as campeãs de postagens “peculiares”: a primeira já compartilhou com seus seguidores fotos de pijama, enquanto a segunda dividiu imagens de um churrasco com as amigas Jourdan Dunn e Toni Garrn, mas no qual o excêntrico traje das “cozinheiras” de resumia a biquínis. Já a polonesa Anja e as russas Anne e Natalia Vodianova dividem com os seguidores fotografias de momentos mais familiares. De tudo que é compartilhado, no entanto, o melhor é reconhecer nessas mulheres, que nos inspiram a comprar produtos de maquiagem e entrar em forma, um pouco de nós mesmas.

+ Veja abaixo mais imagens publicadas pelas modelos em suas redes sociais:

ale-ambrosio-5-de-maio
©Reprodução
Alessandra Ambrósio, ainda grávida, na praia, em 05 de maio

Coco Rocha + Elle

26/04/2012

por | Moda

A capa da edição de maio da “Elle” brasileira e uma das fotos da sessão em que se vê o body usado por Coco Rocha por baixo do vestido transparente ©Reprodução

Com a feroz concorrência travada pelas principais publicações de moda do país (leia-se “Vogue”, “Harper´s Bazaar” e “Elle”), quem sai ganhando é o leitor. Revistas cada vez mais bonitas e saborosas chegam às bancas com tops brasileiras de primeiro time, modelos e personalidades internacionais nas capas.

Entre elas, a top canadense Coco Rocha, que foi lindamente fotografada em Nova York por Max Abadian, para a capa da “Elle” brasileira, na edição que marca o 24º aniversário da revista. O resultado, que vocês podem ver acima, é de fato belo. No entanto, a modelo divulgou em seu Tumblr e Facebook pessoais o seu desagrado com a publicação. A questão é a seguinte: Coco aparece na capa com um vestido de tule bordado e transparente de Julien MacDonald. Quem acompanha a  modelo conhece suas restrições ao que diz respeito a nudez (ou semi-nudez) e nunca mostra mais do que aquilo que a faz sentir-se confortável.

Assim, para evitar o seu desconforto, por baixo desse vestido, Coco estava usando uma proteção cor da pele, bem visível nas fotos de making of postadas pela revista em seu site oficial, mas invisível na imagem de capa, dando a impressão de que a modelo estava mais despida do que a realidade.

Membro da Model Alliance e ativista na defesa dos direitos da profissão, Coco Rocha comentou:

“Enquanto modelo sempre defendi uma política de nudez ou nudez parcial nas minhas sessões fotográficas. Na capa recente que fiz para a “Elle” Brasil, eu estava usando um body em baixo de um vestido transparente que, descobri agora, foi retirado em photoshop e dá a impressão de que eu estava mostrando mais pele do que estou ou alguma vez estive confortável em mostrar. Isso foi feito contra a minha vontade verbal e escrita à equipe inteira. Estou muito desapontada que os meus desejos e contratos tenham sido ignorados. Acredito fortemente que toda a modelo tem que estabelecer regras de como a imagem dela é mostrada e para mim essa regras foram ignoradas.”  

O FFW contatou a assessoria da revista “Elle” para ouvir o outro lado e entender o que de fato aconteceu, já que se trata de uma publicação séria e respeitada. Recebemos a seguinte declaração oficial: “A revista Elle em nenhum momento teve a intenção de desrespeitar o acordo feito com a top Coco Rocha para a capa da edição de aniversário, maio de 2012. A publicação já está em contato com a modelo para esclarecer qualquer mal entendido.”

Esperamos que o mal entendido se resolva e que todos possam apreciar genuinamente a linda capa que resultou desse ensaio.

Por trás de linha de joias e documentário, Coco Rocha adere às causas sociais

01/11/2011

por | Moda

Giorgio Armani e Zac Posen, únicos desfiles de Coco Rocha na temporada ©Imaxtree

A modelo Coco Rocha apareceu pouco nas passarelas nesta última temporada – desfilou apenas para Zac Posen, em Nova York e Giorgio Armani, em Milão – mas isso não significa que a top está parada. Atualmente, Coco se dedica aos toques finais de seu documentário “Letters to Haiti” (“Cartas ao Haiti”, em tradução livre). O filme estreia no próximo mês, em Nova York. Veja o trailer:

Além do documentário, Coco lança uma linha de joias em parceria com a Senhoa (instituição que ajuda vítimas de tráfico humano no sudeste da Ásia a voltar ao trabalho e a se reintegrar à sociedade). A coleção tem preços que vão de US$ 65 a US$ 995 e o lucro vai beneficiar vítimas de tráfico humano no Camboja. As joias são feittas no Cambodia pelas mãos das meninas mais velhas que aderiram ao programa e 100% da renda retorna à Ong.

 ©Reprodução/Jamie Beck

“Quando descobri a extensão do problema de tráfico humano no Camboja, vi que eu precisava ajudar”, disse a modelo ao Style.com. A campanha das nova linha foi toda feita com a técnica de “cinematography”, aquelas fotos que mexem apenas em um ponto, uma cena em movimento dentro de uma fotografia, como um gif animado. Além da própria Coco, Behati Prinsloo e Carol Trentini são algumas das tops que estrelam as fotos animadas de Jamie Beck. A coleção está disponível através do site da Senhoa.

©Reprodução/Jamie Beck

©Reprodução/Jamie Beck

Update: o lançamento do documentário “Cartas para o Haiti” (“Letters to Haiti”) aconteceu dia 8 de dezembro. Confira o vídeo na integra.

FFW beauty digest: Lily Cole, Katy Perry, Freja punk e +!

19/10/2010

por | Beleza

A canadense Coco Rocha contratou uma empresa especializada em closets para construir o dela, e aproveitou para pedir uma bancada para sua impressionante coleção de produtos de beleza. E olha que simpática: o perfume em destaque é o Elle YSL, cujo rosto já foi o da própria top.

coco-rocha-maquiagem-1Coco Rocha, o marido e a bancada de make ©Claiborne Swanson Frank/Reprodução

_________________________________________________________________________________________

Lily Cole, conhecida pelas madeixas bem ruivas, decidiu mudar sua marca registrada para um novo semestre na Universidade de Cambridge, onde estuda história da arte, e apareceu com o cabelo cor de chocolate. Não se sabe ainda se foi uma decisão pessoal ou para um filme – atualmente Lily, que atuou em “O Mundo Imaginário do Doutor Parnassus”, está gravando “The Moth Diaries”.

lily-cole-dois-momentosLily Cole em dois tempos: ruiva e morena ©Reprodução

_________________________________________________________________________________________

Katy Perry encarnou a personagem para divulgar seu primeiro perfume, Purr: foi fotografada num conjunto de latex roxo e rosa, ao lado de uma grande bola de lã. Feita em parceria com a Gigantic Parfums, a fragrância possui notas de pêssego, maçã, bambu verde, jasmin, frésia, rosa búlgara, orquídea, âmbar branco, almíscar e sândalo, e será lançada em novembro nos EUA.

katy-perry-purrKay Perry na campanha de seu primeiro perfume, Purr ©Miles Aldridge/Reprodução
_________________________________________________________________________________________

Um dos editoriais da “Vogue Paris” de outubro de 2010, clicado por Mario Sorrenti, tinha o punk como tema. Nele, Freja Beha aparece quase irreconhecível com o cabelo mais curto e platinado. A mudança, é bom dizer, foi temporária – durante a temporada de Verão 2011, ela apareceu morena como de costume.

freja-beha-punk-parisFreja Beha punk nas páginas da “Vogue Paris” ©Mario Sorrenti/Reprodução

Coco Rocha reacende a polêmica em torno de Terry Richardson

16/07/2010

por | Gente

Em entrevista a revista canadense “Fashion”, Coco Rocha falou sobre Terry Richardson: “Fotografei com ele, mas não me senti confortável e não farei novamente”. Mesmo curto, o comentário bastou para reacender a discussão em torno de Richardson.

O editorial em questão, “Baptême en Diable”, foi publicado na edição de dezembro de 2006/janeiro de 2007 da “Vogue Paris”, e provocou polêmica na época não necessariamente pelo conteúdo, já que não havia nada tão chocante ali, mas pela opinião da modelo, na época uma estrela em ascensão.

coco-bapteme-terry-richardsO editorial da discórdia é da “Vogue Paris” ©Vogue Paris/Reprodução

Ela pediu publicamente que o editorial não fosse divulgado, explicando que não sabia que seria interpretada como o diabo e que isso tinha a abalado pessoalmente. A revista saiu como planejado e, embora tenha sido adotada por Anna Wintour e sua “Vogue America”, foram poucas as aparições de Rocha na revista de Carine Roitfeld desde então.

coco-bapteme-terry-richard2Outros cliques de “Baptême en Diable”, fotografado por Terry Richardson ©Vogue Paris/Reprodução

Na mesma entrevista, Coco falou sobre seus planos futuros (além da marca própria, a Rococo): ela quer visitar escolas pelo Canadá, sua terra natal, discutindo auto-estima com estudantes. Ela tem o que falar, já que é uma das modelos mais eloqüentes quando o assunto é a espinhosa questão do peso.

“Doía na época”, ela diz sobre o tempo em que era considerada acima do manequim. “Mas agora eu digo: ‘você não pode dançar com todo mundo.’”

Coca-Karl: estilista da Chanel assina edição limitada da bebida

05/04/2010

por | Gente

coca-light-by-karl-lagerfel

A Coca-Cola Light pode ser um item raro no Brasil (a empresa trocou a fórmula tradicional por uma vitaminada, a Coca-Cola Light Plus), mas na França ela vive seu auge: Karl Lagerfeld foi capitaneado pela marca para criar uma edição limitada de garrafas com a sua assinatura.

Os modelos são feitos de alumínio, com tampa na cor rosa choque e a silhueta do estilista em branco e preto ao longo de toda embalagem. As garrafinhas estarão a venda em diversos pontos de Paris, incluindo nas Galeries Lafayette e na Colette, onde caixas trazendo abridores de lata no mesmo estilo serão vendidas por € 47 (cerca de R$ 110).

Lagerfeld ainda ficou responsável por fotografar a campanha que ganha páginas de revistas e outdoors pela capital francesa a partir do dia 28 de abril. No anúncio, o modelo favorito de Karl – Jean Baptiste Giacobini – aparece servindo Coca-Cola Light num copo de cristal para a top canadense Coco Rocha.

O mise-en-scène publicitário tem um motivo: Karl Lagerfeld, amante declarado de Coca-Cola Light, só toma a bebida em taças de cristal, “para acentuar o sabor do refrigerante”.

O item será comercializado apenas na França, em tiragem super limitada, então tem tudo pra virar item de colecionador.

“New faces devem ser poupadas da humilhação”, diz Coco Rocha

01/03/2010

por | Gente

15663-500wCoco Rocha em ensaio para a “Vogue España” © Arthur Elgort

Semana passada, em seu blog (Oh So Coco), a modelo canadense Coco Rocha emitiu seu ponto de vista sobre a polêmica da magreza do mundo da moda, citando a reunião do CFDA onde esteve Paulo Borges, organizador do Fashion Rio e do SPFW.

O portal FFW entrou em contato com Coco Rocha pedindo autorização para reproduzir a carta em português. A top topou. “Não tenho nada a adicionar no momento, minha opinião está toda neste post”, informou por e-mail.

Confira o desabafo de Coco Rocha sobre ser uma modelo acima das medidas e o seu pedido por regras mais eficazes de controle de peso e idade mínima nas passarelas.

O meu ponto de vista sem censura.

Tem havido uma certa comoção em relação aos artigos que saíram sobre mim no “New York Times” e no “New York Daily News”. Como apenas algumas declarações minhas foram publicadas, acho necessário que eu expresse o meu ponto de vista corretamente, sem edições externas.

Sou uma modelo de 21 anos, 15 cm mais alta e dez manequins menor do que a mulher comum americana. Mesmo assim, em algum universo paralelo, sou considerada “gorda”… Este foi o tema de uma grande discussão esta semana e a notícia que saiu por aí foi: “Coco Rocha é muito gorda para as passarelas”.

Seria este o caso? Não. Ainda trabalho e sou requisitada como modelo. Na realidade, eu me vejo mais ocupada do que nunca. Nos últimos anos, eu não ganhei uma grande quantidade de peso, apenas dois centímetros aqui e ali, como aconteceria com qualquer mulher que sai da adolescência.

Mas este assunto do peso das modelos é, e sempre foi, uma preocupação minha. Há algumas decisões morais que parecem muito simples para nós. Por exemplo, não explorar o trabalho infantil e não aumentar o fator de dependência nos cigarros. Quando estilistas, stylists ou agentes forçam crianças a tomarem medidas que levam à anorexia ou a outro problema de saúde para que continuem na profissão, eles estão pedindo para que o público ignore a sua consciência moral a favor da arte.

Claramente, todos nós vemos quão moralmente errado é um adulto convencer uma menina de 15 anos já magra de que ela, na verdade, está gorda demais. É indesculpável que um adulto exija que uma menina perca, de maneira não natural, um peso vital para que seu corpo continue funcionando corretamente. Como pode qualquer pessoa justificar uma estética que reduz uma mulher ou criança a uma magreza esquelética? Isso é arte? É claro que a estética da moda deve embelezar a forma humana, não destruí-la.

Há divergências na indústria a respeito disso. Apesar de haver aqueles que não levam em consideração o bem-estar da modelo, eu tive a honra e o privilégio de trabalhar com alguns dos melhores estilistas, editores, stylists, fotógrafos e agentes, que respeitam da mesma maneira tanto as modelos novas quanto as consagradas. Sei que há muitos outros por aí, com quem eu não trabalhei, que também concordam comigo neste assunto.

O CFDA (Conselho dos Estilistas da América) tem tentando ao máximo corrigir esta questão. Alguns dias atrás, em sua reunião anual, viram todos que estavam na sala em acordo a favor da mudança do “sample size” [o tamanho das peças dos desfiles e mostruários] e da contratação de modelos apenas acima dos 16 anos. É ótimo ver quantos corações estão no lugar certo, porque nós temos de fazer estas mudanças para a próxima geração de meninas.

Como uma mulher adulta, eu posso tomar decisões por mim mesma. Posso decidir que não vou permitir que eu seja degradada em um casting – marchar de calcinha e sutiã com um grupo de jovens garotas, ser apalpada, espetada e cutucada como gado. Eu consegui escapar desse tratamento, porque já tenho uma carreira consolidada como modelo e sou adulta… mas e as meninas novas e aspirantes a modelo?

Nós precisamos de mudanças. Eu ia preferir que não houvesse meninas trabalhando com menos de 16 anos, mas, se este for o caso, adoraria ver as adolescentes sendo acompanhadas por seu tutor aos castings, desfiles e sessões de fotos. O CFDA criou um código para seus membros, e eu adoraria ver toda a indústria seguindo-o. A sociedade legisla um monte de coisas – a proibição do uso de esteróides nos esportes é um exemplo –, é apenas lógico que haja regras de conduta para manter a indústria da moda saudável.

No passado, modelos se pronunciaram sobre o assunto, e foram acusadas de apenas falar algo porque suas carreiras estavam à beira da extinção. Este não é o meu caso. Falei sobre isso pela primeira vez há uns dois anos, no auge do que uma modelo consideraria a carreira ideal, e de fato houve uma reação – aqueles que mais desrespeitavam o assunto, de repente, chamaram-me para trabalhar para eles! Isso foi uma tática de relações públicas e eu não estava pronta para cair nela. Disse: “Não, vamos ver daqui algumas temporadas. Se mudarem, aí trabalharei com vocês”. Eles não mudaram. Eu não trabalhei para eles.

Da minha geração de modelos, estou exatamente onde preciso estar na minha carreira e agradeço por poder usar a minha posição para me expressar ativamente contra isso, com o apoio do CFDA e da “Vogue”. A minha esperança sincera é de que, por meio dos nossos esforços, as jovens modelos um dia serão poupadas da humilhação, da perigosa perda de peso, da depressão que vem com a anorexia e da miséria do abandono de uma indústria envergonhada de vê-las transformadas em mulheres de verdade.

Há os padrões normais em como tratamos uns aos outros e como tratamos crianças. Há aqueles que continuam a atropelar estes valores, mas há também os defensores de um caminho melhor. Espero que os esforços contínuos do CFDA e de todos que respeitam estes valores irão influenciar a opinião dos que estão no lado contrário da indústria, para assegurar uma mudança verdadeira para o melhor.

Coco Rocha

+ ohsococo.blogspot.com

Curtiu nosso novo background? Obra de André Azevedo!

Se você acessa o portal FFW diariamente, então deve ter notado a mudança do nosso fundo de tela: as ilustrações que retratam modelos com formas geométricas nas cores azul e vermelha são criações do curitibano André Azevedo, que começou sua carreira profissional como booker da Ford Models. “Gostei do trabalho na agência, tive a oportunidade de ir pra Ford em São Paulo, onde fiquei trabalhando por alguns anos. Naquele período as artes plásticas eram apenas um passatempo. Depois de bastante tempo trabalhando no mercado de moda (e na loucura de São Paulo), resolvi voltar para Curitiba e retomar meu trabalho artístico. Hoje tenho na moda uma fonte de inspiração”, explica.

coco-rocha-by-andre-azevedoA top model canadense Coco Rocha em ilustração de André Azevedo: azul e vermelho (sempre contra fundo branco) marcam a identidade do artista plástico © André Azevedo

André abre o ciclo de ilustradores que queremos apoiar e promover através do FFW. Você pode enviar seu portfólio de ilustrações para redacao@luminosidade.com.br. Participe!

Confira a entrevista que fizemos com André Azevedo:

Qual o seu nome completo?
André de Azevedo Marques.

Idade?
32.

Signo?
Escorpião.

Você tem alguma crença / credo / religião / filosofia?
Quem pratica o bem vive mais feliz!

Qual o seu lema?
Nada acontece por acaso.

Uma lembrança marcante.
Minha casa na árvore.

Onde você nasceu?
Curitiba.

Onde cresceu?
Entre Paraná, Minas e São Paulo.

Onde mora atualmente?
Curitiba.

Onde gostaria de morar no futuro?
Numa casa com sótão, quintal e jardim.

Quando começou a desenhar?
Desde criança. Tenho desenhos guardados de quando eu tinha 4 anos. Sempre tive lápis e papel por perto.

Seus ídolos.
Tenho uma lista grande de artistas que admiro. Dos mais famosos até alguns que conheci no submundo online. A maioria não trabalha só com ilustração. Alguns nomes: Julien Roure, Daniel Egnéus, Donny Nguyen, Carsten Oliver Bieräugel, Irena Zablotska, Richard Colman, Simon Henwood, Elizabeth Peyton, Christoph Schmidberger, entre outros.

Qual personagem você gostaria de desenhar (pode ser um cartoon, uma pessoa real…).
Prefiro os desconhecidos. Gosto de desenhar pessoas escondendo o rosto.

O que você pensa quando está desenhando?
Acho que essa frase responde: “Ideias se movimentam como peixes”.

Suas cores favoritas.
Azul e vermelho.

A ilustração paga suas contas?
Parte delas…

Quando tenho tempo livre eu gosto de…
Garimpar objetos e móveis usados, andar de bicicleta pela cidade, caminhar ouvindo música, cozinhar para os amigos.

Bebida que não pode faltar.
Quente: café.
Gelada: suco de melancia, limão e gengibre.

Dieta?
Vegetariana

Os sites que estão nos seus favoritos.
A lista é grande, entre eles:

itsnicethat.com

haw-lin.com

showstudio.com

ffffound.com

vvork.com

Revistas mensais.
As disponíveis na internet são as que vejo sempre:

www.core77.com

www.smagazine.com

www.vmagazine.com

www.yvymag.com

www.lulamag.com

Um livro de cabeceira.
“Desvendando os Segredos da Linguagem Corporal”, de Allan e Barbara Pease.

10 coisas essenciais na sua vida.

01. Caneta Bic 4 cores.

02. Música.

03. Internet.

04. Uma cozinha com muitos utensílios.

05. Cozinhar e reunir os amigos.

06. Café preto, torrada + 1 item no café da manhã.

07. Caderno de anotações.

08. Materiais de desenho e pintura: o arsenal aumenta a cada dia!

09. Praticar ioga.

10. Trabalhar em casa.

+ andreazevedoart.blogspot.com
CONTATO (41) 3524.0184