Jason Wu

10/09/2012

por | Moda

entrevistajasonwu_002Jason Wu conversa com o FFW no Dalva & Dito ©Juliana Knobel/FFW

O estilista Jason Wu esteve em São Paulo à convite da Melissa para lançar sua linha de sapatos para a marca. Acompanhado de seu namorado, Jason enfrentou uma maratona de encontros, eventos e entrevistas com muito bom-humor. Simples, tímido, focado e sempre com um sorriso no rosto, ele conversou com o FFW durante um café no Dalva & Dito. Veja só.

Qual você acha que foi o momento mais transformador na sua carreira?

Há alguns momentos importantes. Eu acredito que ser parte do CFDA foi crucial e também ter sido indicado pelo CFDA como melhor estilista e melhor designer de acessórios. Claro, vestir a primeira-dama Michelle Obama me lançou de uma forma totalmente diferente. Então várias coisas aconteceram que me trouxeram até onde estou hoje.

A gente sabe o impacto que vestir a primeira-dama ou uma celebridade tem na carreira de um estilista. Você acha esta relação crucial para ter sucesso comercial?

Acho que sim, pois os jovens estilistas não podem anunciar me revistas, não fazem campanhas. Então é importante que nosso trabalhe fale por si próprio. E ter a chance de vê-lo em alguém importante é muito bom, pois traz visibilidade. Então eu acho que é muito bom, mas também é importante que seja a pessoa certa, alguém que aprecie a mesma estética que você.

entrevistajasonwu_003©Juliana Knobel/FFW

Como você percebe a mulher brasileira?

Vejo que elas amam a moda, o que é muito bom. Acho a brasileira muito feminina, o que acho ótimo porque o que eu faço também é muito feminino.

Quais são os planos de expansão da sua marca?

No momento minha marca está em 150 lojas no mundo inteiro, mas quero expandir mais, globalmente. Vou começar a vender em Milão nessa próxima estação e a aumentar meus negócios na China e no Japão e, espero, no Brasil. É muito importante ser um designer global e não regional. Hoje, ter uma coleção bem sucedida é ter visibilidade internacional e também fazer coisas que são diferentes, que é o que me trouxe a essa colaboração com a Melissa. Eu fiquei muito surpreso ao saber que a Melissa existe a todo esse tempo! Tem uma história tão rica e tanta gente que eu conheci cresceu usando as sandálias da Melissa. É interessante porque tenho que pensar em um produto que seja único e diferente do que eles já fizeram – e eles já fizeram tanta coisa – e ainda dar a ele uma pegada Jason Wu.

Você tem 27 anos, sua marca existe há apenas cinco anos e hoje você é um estilista com grande visibilidade e veste mulheres globalmente famosas. Qual o tamanho da pressão ao desenhar cada coleção?

Sou meu pior crítico. Sempre quero ser melhor do que a estação passada e é assim que deve ser: uma evolução. Como estilista e como pessoa, acho que a gente nunca pode achar que já fez de tudo. É importante manter os olhos sempre abertos e especialmente abertos para coisas novas: novos materiais, novas ideias, novas técnicas, novos mercados. A moda é divertida porque tem sempre algo acontecendo. É uma das indústrias que mudam mais rápido no mundo então precisamos estar sempre lá na frente. Entender o que está acontecendo no mundo e traduzir isso em coleções interessantes. Mas é uma busca eterna por um resultado melhor do que o anterior.

Você surgiu junto com outros estilistas asiático-americanos, como Alex Wang, Derek Lam e Phillip Lim. Como é a relação entre vocês?

Nós somos amigos e há essa coisa de se pertencer a um grupo, o que é muito interessante. Somos parte de uma geração, fazemos muita coisa parecida ao mesmo tempo e acho importante se relacionar com os outros estilistas. Essa indústria é tão pequena, de certa forma, que é legal ter essa ideia de comunidade.

Você consegue ficar sem trabalhar?

Não muito. Viajo o tempo todo a trabalho e essa é a melhor parte da minha profissão. Acabo conhecendo diversos países. Aqui no Brasil as pessoas que me acompanharam me levaram para os lugares mais legais de São Paulo, porque eles conhecem bem aqui. Mesmo que eu esteja trabalhando, consigo fazer muitas coisas interessantes porque tenho ótimos “guias turísticos”.

Quando você voltar para Nova York e seus amigos perguntarem “como foi no Brasil?”, o que você vai dizer?

A comida é tão boa! Ou melhor, deliciosa!

+ Veja o desfile Primavera-Verão 2013 de Jason Wu