27.06.2012 / Moda / por

Direto de Milão: os caminhos da moda masculina no Verão 2013

Direto de Milão

©FFW

Um dos aspectos mais interessantes e marcantes na moda masculina é o limite que a configura. Por mais espalhafatosos que sejam os homens, na era contemporânea em que vivemos eles nunca serão como as mulheres. Diferentemente de outras épocas, as peças são, no geral, em menor quantidade de opção.

O resultado disso? Uma moda que, para se renovar, raciocina nos detalhes. E a pesquisa parece, digamos, de maior fôlego, no bom sentido. Porque tem que sambar muito pra transformar o mesmo terno, aquela bermuda de sempre, e os sapatos em algo novo. Sem contar a questão comercial de agradar os homens que, no geral, nem de longe acompanham a moda como as mulheres. A moda masculina não é necessariamente mais fácil que a feminina.

As coleções desfiladas em Milão (Verão 2013) nesta semana continuam mostrando o que a moda masculina tem de melhor. É a semana masculina mais importante do mundo. A temporada para os homens, aliás, começa já antes, em Florença, com os lançamentos comerciais da Pitti Uomo. Boa parte dos cerca de 20 mil buyers que desembarcaram para a Pitti provavelmente também passou em Milão.

O FFW, que acompanhou os desfiles, selecionou propostas que pontuam ao futuro. Detalhes que se diferenciam entre looks gerais, ainda que esses sejam extremamente caprichados.

EXPLOSÃO DE CORES

Explosão mesmo, em maior ou menor grau. Porque vinham uma depois da outra, ou todas misturadas, ou em tons monocromáticos. No geral a semana de moda foi bem up, com cartelas de cores estimulantes, com utilização de várias cores no mesmo look. Cores que geralmente, por um vício dos velhos tempos, vemos como mais femininas. Cores fluo que não chegam a ser fosforescentes, apresentadas como se fossem “normais” (e por que não seriam?), para serem usadas no dia a dia. Um baque positivo para os nossos olhos, que precisam se acostumar de novo com o que é alegre, não?

Looks de Salvatore Ferragamo Verão 2012/2013 ©ImaxTREE

Que delícia foi assistir ao desfile da Salvatore Ferragamo. Espera-se sempre uma alfaiataria top de linha, tecidos que de tão bem cultivados e cortados não parecem verdadeiros, modelos em elegância suprema. Ok, tudo acima checked. Mas dessa vez foi um susto ver já o primeiro modelo super colorido andando feliz ao som de uma música fofinha do New Order em alto volume. Teve gente que dançou na cadeira ou pelo menos balançou a cabeça.

Looks da Gucci Verão 2012/2013 ©ImaxTREE

Frida Giannini tem mostrado que absorve bem o mood geral do hemisfério Norte, o que provoca crítica dos fashionistas mais radicais que acreditam no “novo ou nada”. A Gucci é comercial, e sabe ser. Porque trabalha com qualidade em sua cadeia produtiva e sabe oferecer ao consumidor o que ele quer. Então já que é para querer cores, toma!, é o que parece que Frida nos está dizendo ao despejar na passarela essa coleção arco-íris.

BRILHA MUITO

Uma das compradores da loja Luisa Via Roma arregalou os olhos quando os primeiros looks da Burberry Prorsum entraram. Deu uma cotovelada na amiga buyer ao lado que também estava passada. Aos poucos percebe-se que o climão é geral, do tipo, oi? Alô Christopher Bailey? É isso mesmo, produção? A Burberry vem num caminho de amor eterno com a opinião geral modista, então foi uma questão de acostumar os olhos a uns trench coats metálicos super “cheguei” que parecem querer quebrar uma monotonia de elegância contida. Os dois primeiros looks abaixo são da Ermenegildo Zegna, que também buscou o brilho metálico, mais discretamente, em fibras de linho acetinadas. Os dois últimos são os metálicos de Bailey. Repare!

Dois looks de Ermenegildo Zegna, à esquerda, e dois da Burberry ©ImaxTREE

A Ermenegildo Zegna parece uma marca-mãe dos homens. Um ser masculino desprovido de conhecimentos de moda vai na Zegna e sai de lá bem vestido, sem saber o porquê, mas acabou comprando, gostando e levando elogios. Por isso que os brilhos dessa marca, enquanto o conceito for o mesmo (e parece um terreno sem risco de terremotos), não vão passar de algo sutil. Já a Burberry, inglesa, moderninha, que cultua jovens da cena rocker londrina em suas publicidade, pode se dar ao luxo de brilhar muito mais.

BRANCO TOTAL

Aquela mania de usar preto no inverno e branco no verão vem, primeiro de tudo, do fato que a cor branca, por refletir mais a luz, absorve menos o calor. Em segundo lugar, vem também de uma inspiração que combina com países que têm estações do ano bem definidas. Quando chega o desejado sol, o calor, as vitrines ficam todas claríssimas. Desta vez, no entanto, a proposta branco total, dos pés à cabeça, pareceu conversar um pouco mais com a questão da monocromia dos looks.

Acima looks de Bottega Veneta (os dois primeiros), Gucci e Ermenegildo Zegna, respectivamente ©ImaxTREE

EXTREMO CASUAL

Os looks com sandália e meia deveriam vir com uma etiqueta de alerta dizendo: Homens, não tentem isso em casa se for apenas por desleixo! Pode parecer engraçado, mas é a tendência mais arriscada das passarelas deste ano. Uma coisa é a sandália e a meia com bermuda, como se viu no ano passado. Alguns fashionistas já usam, com domínio pleno do que estão fazendo. A ideia passa para um nível mais sério quando se usa com um terno impecável. E se for para combinar com formas menos estruturadas, como propôs Miuccia Prada, o perigo aumenta, porque tudo parece meio largado. Mas não é! Porque é Prada. Cada peça ali foi desenhada quinhentas vezes, cada styling ali foi pensando exaustivamente. Experimentar a mesma coisa com a roupinha da loja do bairro pode virar um desastre fashion.

Os dois primeiros looks são Prada. O terceiro é a proposta sandália + meia arriscada pela Burberry Prorsum ©ImaxTREE

+ Veja os desfiles da temporada masculina de Milão Verão 2012/2013


Relacionadas