Stephanie Noelle - Google +

Ame ou odeie: novos creepers da Prada são hit na moda masculina

04/06/2011

por | Moda

prada_abrePradismo ©Reprodução

É um consenso: tudo o que Miuccia Prada coloca nas passarelas torna-se desejo instantâneo da população fashionista, instiga diversas cópias ao redor do globo e faz todo mundo querer se vestir do mesmo jeito.

A peça-hit da vez são os “brogues-creeper-shoes”, nome comprido para os sapatos tipo brogues (uma espécie de Oxford, só que mais formal) com solado alto, quase como uma plataforma, desfilados no Verão 2011, tanto no feminino quanto no masculino da marca italiana. Que o sapato faria sucesso com as mulheres já era possível prever, mas acontece que a versão masculina também caiu no gosto dos homens – geralmente tidos como menos abertos às ousadias da moda. O item esgotou e agora tem até lista de espera para adquirir um par, que custa cerca de € 550 e pode ser customizado. As cópias pipocam por toda a internet, custando menos de US$ 100.

creeper_90Os creeper shoes dos anos 90 ©Reprodução

O modelo é quase uma releitura dos “brothel creepers”, hit dos anos 90 e da cultura clubber, mas que ganhou as ruas mesmo nos anos 70, quando Malcolm McLaren e Vivienne Westwood (namorados na época) abriram uma loja em Londres chamada “Let it Rock” e começaram a comercializar o modelo, que fez um enorme sucesso. Miuccia repaginou os “brothel” com ares tropicais no solado mesclados a aparência formal dos brogues.

Para o editor de moda da “MAG!”, Paulo Martinez, os sapatos podem funcionar no Brasil: “Quem vai comprar, aqui e lá fora, são as pessoas “trendy”, que vão usar essa estação e depois vão querer ver só daqui a 15 anos, quando já for vintage”.  O stylist Thiago Ferraz aprova o modelo. “É um sapato incrível, boto a maior fé. A Prada fez uma versão com a sola bem carregada e que remete aos sapatos clubbers dos anos 90. Mas todos os desfiles masculinos do Verão 2012 vieram com a mesma estrutura de sapatos, só que com as solas mais vida real. O que eu tenho, por exemplo, é um do Paul Smith, que é adaptado para um solado mais confortável, mais para a rua”. Aqui no Brasil a British Colony também fez sua versão, mas ao invés dos brogues, atualizou docksides com solados altos.

sapatos2012Burberry, Prada e British Colony com suas versões de creeper shoes para o Verão 2012 ©GQ e Agência Fotosite

“Como é um sapato clássico (por causa do brogue), dá certo com tudo, mas depende do gênero que você faz. Pode até sair todo colorido, como mostrou na passarela, mas eu sou meio contra sair inteiro de Prada, sabe? Fico até espantado de todo mundo querer esse sapato. Aconselharia a sair do seu jeito!”, finaliza Martinez.

+ Veja na galeria como os creeper shoes estão sendo usados

Caras e bocas: a beleza do quarto dia da temporada carioca de moda

02/06/2011

por | Beleza

No quarto dia de Fashion Rio as marcas Filhas de Gaia, Coca Cola Clothing – que traz a socialite Olivia Palermo –, Maria Bonita Extra, Têca e TNG, com a global Deborah Secco, desfilam as coleções do Verão 2012. O FFW foi aos backstages e mostra a beleza de cada uma, em detalhes.

TNG

tng_abre©André Conti/Agência Fotosite

Se depender do make da TNG, os anos 90 voltam com tudo! Foi essa a inspiração de Robert Estevão, que fez uma maquiagem totalmente limpa nas meninas, e o único detalhe era um delineador vermelho, cor forte na coleção.Os cabelos, tanto das meninas quanto dos meninos, eram todos para trás, com jeito de “passou a mão e ficou”. A pele de ambos era bastante hidratada, e nada mais. Minimalismo noventista!

tng_olho©André Conti/Agência Fotosite

tng_menino©Gustavo Scatena/Agência Fotosite

TÊCA

teca_abre©Sergio Caddah/Agência Fotosite

A maquiagem da Têca veio bastante feminina, e muito brilhante. Nos olhos, gloss rosa pálido (desses de boca mesmo) aplicado nas pálpebras, rímel nos cílios superiores, batom rosa claro e brilho nas têmporas. Aqui, um truque do maquiador, Robert Estevão, que usou batom como blush, aplicado com pincel de blush mesmo. “Para quebrar a feminilidade dos tons rosados, tem bastante brilho”, explicou Robert. No cabelo, um rabo de cavalo bem puxado, com textura seca no comprimento, efeito conseguido com aplicação de spray.

teca_olhos©Andre Conti/Agência Fotosite

teca_batom©Andre Conti/Agência Fotosite

Veja aqui o desfile completo da Têca no Fashion Rio Verão 2012

MARIA BONITA EXTRA

mbe_abre©Zé Takahashi/Agência Fotosite

A beleza feita por Daniel Hernandez para a Maria Bonita Extra é daquelas bem simples, mas com um efeito arrasa-quarteirão. O cabelo é super-super liso, com a risca exageradamente de lado, a pele apenas corrigida, nada de iluminador ou blush, nem rímel. O charme todo fica por conta da boca extra vermelha, tom conseguido com a mistura de três batons do Duda Molinos. Anote aí os números e tente em casa: 205, 202 e 204!

mbe_batom2©Andre Conti/Agência Fotosite

Veja aqui o desfile completo da Maria Bonita Extra no Fashion Rio Verão 2012

COCA-COLA CLOTHING

cocacola_abre©Zé Takahashi/Agência Fotosite

O maquiador Max Weber buscou inspiração no jogo de volumes e luz & sombra dos pintores clássicos para fazer o make da Coca-Cola Clothing. “Mas eliminamos a quantidade de produto, pra ser super natural e belíssima”, contou Max. Para conseguir o efeito, o maquiador usou iluminador bronzeador cremoso – nas mais bronzeadas – e indicou uma mistura para as não tão bronzeadas assim: iluminador cremoso salmão com um pouco do bronzeador. Muita máscara de cílios – em cima e embaixo – e boca com gloss salmão, com leve brilho de glitter. Os olhos levam gloss na pálpebra até a linha da sobrancelha. O cabelo é daqueles que se faz rapidamente. Alguns presos-meio-soltos alto, outros laterais, e outros no meio, com fios caídos e nada muito rígido.

cocacola_cabelo©André Conti/Agência Fotosite

cocacola_olho©André Conti/Agência Fotosite

Veja aqui o desfile completo da Coca-Cola Clothing no Fashion Rio Verão 2012

FILHAS DE GAIA

filhas-de-gaia_abre©Andre Conti/Agência Fotosite

“As Filhas de Gaia são sempre glamurosas, sabem se cuidar, estão sempre belas”, falou o maquiador Lavoisier, no backstage do desfile que abre o quarto dia de Fashion Rio. Para fazer essa maquiagem, foco nos olhos, que têm cílios postiços nos cantos, muito rímel em cima e embaixo, delineador preto grossinho, com sombra rosa clara, e lápis branco dentro do olho. Blush em tons de marrom apenas para marcar o rosto e batom nude com bastante gloss “Para dar efeito de quase espelho”, explicou o maquiador. O cabelo era preso no meio da cabeça, dividido ao meio (algumas com franja, outras sem), e baby-liss pequeno no rabo de cavalo, que depois seria “desconstruído”, para ficar chique.

filhas-de-gaia©Andre Conti/Agência Fotosite

Veja aqui o desfile completo da Filhas de Gaia no Fashion Rio Verão 2012

FFW Essencial: três tops contam o que não pode faltar no verão

02/06/2011

por | Gente

bruna-tenorio-cintia-dicker-ana-claudia-michels-essenciais-do-verao-2012Bruna Tenório, Cintia Dicker e Ana Claudia ©Agência Fotosite

O outono está alcançando seus dias de glória no Rio de Janeiro, mas todo mundo (da moda) só tem olhos para o Verão 2012. E o FFW foi descobrir o que é essencial no verão de três modelos experts. Confira abaixo:

BRUNA TENÓRIO

brunatenorio©Zé Takahashi/Agência Fotosite

1 – Água de Coco
2 – Hidratante da Lancôme
3 – Protetor solar Vichy, com base
4 – Blush em tonalidades rosadas, da Lancôme
5 – Praia do Francês, em Alagoas

CÍNTIA DICKER

cintiadicker©Zé Takahashi/Agência Fotosite

1 – Óculos Ray-Ban, modelo “Boyfriend”
2 – Praia em Tulum, no México
3 – Shorts jeans
4 – Água
5 – Protetor solar da Lancôme, fator 70

ANA CLAUDIA MICHELS

anaclaudia©Zé Takahashi/Agência Fotosite

1 – Chinelo Havaianas
2 – Fernando de Noronha
3 – Roupa colorida
4 – Saias
5 – Esmalte de cor viva

Entenda o hype em torno de Olivia Palermo, que está hoje no Fashion Rio

02/06/2011

por | Gente

oliviapalermo_abre©Reprodução

“Todas querem ser Olivia Palermo” é o que mais se escuta quando se fala dessa socialite, que nasceu em Greenwich, Connecticut, sob o signo de peixes no ano de 1986, filha de pai do ramo imobiliário e mãe designer de interiores, e que passou sua infância entre a cidade natal, Nova York e Paris. O motivo de tanta admiração em volta dela é simples: seu estilo. A notícia da vez sobre a moça é que ela desembarca pela primeira vez no Brasil para o desfile da Coca-Cola Clothing que acontece no Fashion Rio Verão 2012 no dia 2 de junho.

A americana saiu do anonimato quando o fotógrafo Patrick McMullan percebeu seu potencial em uma festa de caridade, e começou a publicar fotos dela em diversos eventos. A fama chegou quando, em 2008, estreou no reality show “The City”, da MTV, em que “fazia o papel” da antagonista de Whitney Port, estrela do programa. Ela também fez campanhas para marcas como Freda, Asos e Mango, e lançou uma linha de joias em colaboração com Roberta Freymann.

oliviapalermo_2Olivia Palermo, “La Niña Bonita”, segundo a Vogue Espanha © Astrid Muñoz/Vogue Espanha

Sobre seu estilo:

“Meu estilo é clássico, mas eu gosto de incorporar algumas tendências para deixar as coisas modernas e relevantes – e eu sou uma super fã do uso de acessórios para finalizar meu look. Eles completam um look e adicionam um toque de criatividade, tanto se for um pingente ou brincos. Eu uso muita alfaiataria e vestidos estruturados. Penso que se vou gastar dinheiro com roupas, qualidade é realmente importante. Nunca uso um look exatamente como o da passarela porque acho chato. É importante usar o que funciona pra você, não só o que é tendência, e enxergar roupas como investimentos. Por exemplo, se eu for comprar um relógio que eu quero usar até ter 90 anos, então só vou investir em uma peça clássica, eterna.

[Eu viajo muito então] eu absorvo a cultura, seja em Londres, Paris ou Italia – e eu mesclo com a minha. Quando sinto que estou me vestindo mal, o que acontece de tempos em tempos, eu viajo para Paris e [quando volto] me sinto uma pessoa diferente. Você precisa da sua inspiração. É como um escritor fazendo um livro – ele precisa estar em movimento; ele não pode ficar parado no mesmo lugar porque ele vai ter um bloqueio na escrita. É a mesma coisa com a moda. E eu gosto de me arrumar. Não é pra ninguém senão eu mesma. Tanto faz se estou indo para a farmácia ou ao mercado: eu estarei arrumada”.

Look que não falha:

“É simples: jeans skinny com blazer e um top de alcinha preto. E se quiser dar um toque especial, alguma coisa vintage. E eu geralmente uso ankle boots ou salto fino com esse look”.

Ícones de estilo:

“Eu olho para garotas com estilo de diferentes cidades do mundo. Eu gosto de ver como as diferentes culturas são expressadas por meio das roupas”.

Sobre ser um ícone de estilo:

“É um grande elogio. As pessoas estão interessadas em moda hoje mais do que nunca, o que eu gosto de ver. No entanto eu acho que existe essa falta de glamour no vestir do dia a dia, e precisa haver mais. Nova York é legal por isso, as garotas estão sempre arrumadinhas. Eu acho importante e tem um efeito enorme em como você se sente consigo mesma. Vale a pena acordar mais cedo e gastar mais tempo para ficar pronta”.

Itens essenciais para viajar:

“Sapatilhas ‘ballerinas’, blazer e cachecol de pele”.

E itens essenciais de make-up para viagens:

“Sabonete líquido para o rosto, hidratante, protetor solar, corretivo e talco de bebê”.

oliviapalermo_3Revista da marca Asos, de Agosto de 2010 ©Asos

Estilistas favoritos:

“Eu amo Giambattista Valli, Matthew Williamson, Charlotte Olympia e French Sole. Eu sempre gosto de falar com os designer para ter feedback. Quando as revistas escrevem comentários negativos, eu não presto atenção, porque o que é mais importante pra mim é o meu relacionamento com o estilista. Estou sempre procurando por novos designers, e amo St. Martins Lane. O trabalho de Rachel Roy é maravilhoso. Eu também amo Oscar De La Renta, e tem um vestido da coleção dele de Primavera/2011 que é maravilhoso, e eu tenho uma foto dele no meu quadro de inspirações”.

Sobre sua grande coleção de chapéus:

“Embora eu fosse bastante jovem, quando estive na Flórida, aos 12 anos, minha tia dizia: ‘Oh, Olivia, você pode ter um pouco de cor, mas sempre use um chapéu ao sol’. Ela estava totalmente certa”.

Sobre maquiagem e segredo de beleza:

“Amo as maquiagens da Guerlain. Amo que é uma companhia antiga. A maquiagem é suave e as cores são incríveis. Amo o talco de bebê da Johnson’s. Tem um cheiro bom e é um pouco nostálgico”.

Sobre momentos de lazer:

“[Eu relaxo] passando tempo com Johannes (seu namorado desde 2008). Nós nos certificamos de que, não importa o que aconteça, nos vemos todos os sete dias da semana, e assim que chegamos em casa, trabalho fica para fora. Nós amamos esquiar e jogar tênis”.

Sobre exercícios:

“Eu amo Bikram Yoga, é um ótimo jeito de manter a forma e limpar sua mente e seu corpo”.

+ Confira na galeria o estilo de Olivia Palermo

Caras e bocas: a beleza do terceiro dia da temporada carioca de moda

01/06/2011

por | Beleza

Terceiro dia de Fashion Rio tem a estreante Ágatha, a masculina R. Groove, Coven e Blue Man, que apresentam suas apostas para o Verão 2012. O FFW invade os backstages e mostra a beleza de cada uma, em detalhes.

BLUE MAN

blueman_abre©Andre Conti/Agência Fotosite

Robert Estevão, que assinou a beleza da Blue Man – desfile mais esperado desse 3º dia de desfiles – contou que pensou numa mulher bem de praia, com influências dos anos 70, e claro, do Rio de Janeiro. Para isso, fez uma pele com brilho, usando blushes marrom e salmão, de textura cremosa, e olho com sombras em pó, bronze e salmão. O cabelo é tipo um “babyliss apodrecido”, efeito conseguido com spray. Para os meninos, cabelo escovado e estilizados com pomada e spray.

blueman_olho©Andre Conti/Agência Fotosite

blueman_menino©Andre Conti/Agência Fotosite

COVEN

coven©Andre Conti/Agencia Fotosite

Nada, exceto a pele feita. Na beleza da Coven, assinada por Daniel Hernandez, não tem rímel, nem batom, nem blush, nem sombra. Em algumas meninas, há um detalhe no centro da testa, de cores variadas, que remete à inspiração étnica da coleção, o que também influenciou no make minimalista. O cabelo é super chapado, do jeito que a mulherada gosta.

coven_olhos©Andre Conti/Agência Fotosite

+ Veja aqui o desfile completo da Coven no Fashion Rio Verão 2012

R. GROOVE

r.groove©Andre Conti/Agencia Fotosite

Maquiagem em desfile masculino é sempre uma coisa simples. Na R. Groove não foi diferente, mas o beauty artist Lavoisier colocou cor nos meninos: “A gente trouxe meninos muito bronzeados, como se eles vivessem em uma cidade com muito sol, mas se vestissem bem”. Para o efeito, ele usou spray bronzeador para pernas e pomada para dar textura de bagunçado sujinho aos cabelos.

+ Veja aqui o desfile completo da R.Groove no Fashion Rio Verão 2012

ÁGATHA

agatha_abre©Zé Takahashi/Agência Fotosite

“Como a coleção é muito clara, e tem muito branco, pensei em uma ‘gótica branca’, que é bem o oposto – nas cores – mas tem o cabelo caído na cara”, explicou o maquiador Daniel Hernandez. De fato, é tudo muito natural, com a pele apenas corrigida, hidratante na boca, e lápis branco dentro do olho, “para dar uma iluminada”. O cabelo com jeitão de praia tem um truque esperto pra todo mundo usar: são feitas duas tranças, uma de cada lado da cabeça, e por cima delas se passa chapinha (sem dentinhos), mas sem apertar muito, só para fixar. Depois de um pouco de spray, solta-se as tranças e voilà: cabelo do verão.

beleza_agatha©Andre Conti/Agência Fotosite

+ Veja aqui o desfile completo da Ágatha no Fashion Rio Verão 2012

FFWsetlist: as músicas feitas para o Rio que inspiraram o Verão da Salinas

Neste verão, a Salinas leva para as passarelas todo o gingado do Rio de Janeiro: Jacqueline de Biase, diretora criativa da marca, olhou – e ouviu – as músicas feitas para a cidade maravilhosa para fazer a coleção de Verão 2012.

salinas2Verão 2012 da Salinas ©Agência Fotosite

E o FFW falou com ela para saber quais as músicas que a deixaram inspirada para criar uma moda praia que cantasse ao Rio de Janeiro. Confira:

“Vide Gal” – Marisa Monte

“Toda Colorida” – Jorge Ben Jor

“Moça Bonita” – Pedro Luís & A Parede

“Samba do Avião” – Tom Jobim

“A Cor Amarela” – Caetano Veloso

Caras e bocas: a beleza do segundo dia da temporada carioca de moda

31/05/2011

por | Beleza

No segundo dia de Fashion Rio, Totem, Salinas, Espaço Fashion e Oestúdio apresentam suas coleções para o Verão 2012 e o FFW mostra a beleza de cada uma, em detalhes.

TOTEM

totem_abre©André Conti/Agência Fotosite

A maquiagem da Totem, que abriu o 2º dia de desfiles, foi assinada por Eliezer Lopes, que explicou tudinho: “Me inspirei nas mulheres em férias, que estão à vontade, não estão muito preocupadas com maquiagem, e estão mais naturais”. Para esse efeito, Lopes passou sombra dourada bem suave nos olhos, cabelos bem liso “para dar movimento” e boca coral para umas – “tem a cara do verão” – e cor de carne para outras. Aqui, o mais legal são os iluminadores, que fazem um jogo de cintilância bem bonito.

totem_detalhes©André Conti/Agência Fotosite

Veja aqui o desfile completo da Totem no Fashion Rio Verão 2012

SALINAS

salinas_abre©Agência Fotosite

Daniel Hernandez, beauty-artist que assinou a beleza da Salinas, definiu tudo como “super jovem, super menina,super natural!”. O cabelo tem ondas médias feitas com baby-liss, a pele tem efeito de “beijada pelo sol” com blush rosadinho, e o charme é a sombra laranja-rosada, com máscara de cílios tanto em cima, quanto embaixo. Na boca, batom bege com gloss.

salinasolho©Agência Fotosite

Veja aqui o desfile completo da Salinas no Fashion Rio Verão 2012

ESPAÇO FASHION

espaco_fashion©Agência Fotosite

“Pensei em alto-verão, uma mulher saindo da água, bem linda, com o cabelo preso secando ao sol, por isso tem essa coisa meio maresia”, explicou Robert Estevão, responsável pela beleza da marca Espaço Fashion. O foco da maquiagem é a sobrancelha, escurecida um tom acima do natural. O restante é bem cara de praia, com boca hidratada, gloss na pálpebra, rímel apenas nos cílios superiores, e batom fazendo as vezes de blush, na cor salmão, aplicado com batidinhas.

espacofashion2©Agência Fotosite

Veja aqui o desfile completo do Espaço Fashion no Fashion Rio Verão 2012

OESTÚDIO

oestudio_abre©Agência Fotosite

Para a maquiagem d’Oestúdio, Mario Campioli trouxe a proposta de misturar tecnológico com artístico, e fez meninas bonecas. A aparência é toda plastificada, e até sardas foram forjadas nas bochechas das meninas. Nos olhos, uma mistura sutil de tons de laranja e rosa perolado, marrom (rente aos cílios) e delineado fino. O blush é bem marcado, e são dois tons; pêssego e marrom alaranjado. O cabelo é completamente preso, com muito gel, para não ofuscar os chapéus do desfile.

oestudio©Agência Fotosite

Veja aqui o desfile completo d’Oestudio no Fashion Rio Verão 2012

Reciclagem, pierrot e nerdismo nos acessórios da Alessa

31/05/2011

por | Moda

alessa_acessoriosSuper acessórios na Alessa ©Agência Fotosite

Alessa abriu o Fashion Rio, e decidiu fazê-lo com pompa e circunstância. Para isso, apostou me mega-máxi acessórios: brincos gigantescos, óculos coloridos e cabeças extravagantes. “Gosto muito de acessórios, porque é design. Como tenho formação em design, pra mim é como voltar as origens, um resgate do que sempre fiz”, explicou a estilista Alessa minutos antes de abrir de vez as portas do Fashion Rio.

alessa_chapeusCabeças feitas por Lislei Cunha ©Agência Fotosite

As cabeças são talvez o mais chamativo de todo o conjunto, e foram feitas pela artista plástica – e amiga antiga da estilista – Lislei Cunha, que quis fazer um acessório luxuoso, mas com materiais reciclados, como papel de pão, jornais, embalagens de mate e rolos de papel higiênico. “O corpo é luxuoso e as cabeças são recicladas. E é assim que tem que ser né? Temos sempre que reciclar nossas ideias e pensamentos”, disse a estilista. E o casamento real e seus chapéus, teve alguma coisa a ver com essa história? Segundo a artista plástica, rolou sim uma inspiração partindo do tal evento da realeza britânica.

Uma das inspirações de sua coleção, chamada de “Relíquias”, o vidro de murano (técnica milenar italiana de confecção de vidro) também serviu como guia para a criação dos óculos, desenhados por Alessa e feitos pela Lunetterie: “Pensei em formas bastante sinuosas, e no movimento barroco”.

alessa_brincosPierrot-nerd-barroco na Alessa ©Agência Fotosite

Os brincos e colares – que também faziam as vezes de golas – vieram direto do universo dos pierrots. “Todos os acessórios fazem as pessoas entrarem no universo da obra, e o trabalho do Daniel Ueda (stylist), eleva a criação a outro nível”, afirmou Alessa.

Diretora do Stylesight fala sobre inovação, Brasil e os rumos do Verão 2012

30/05/2011

por | Moda

capa-tendencias-stylesightO que vem por aí? Diretora de tendências do Stylesight responde ©Guy Bourdin

Na manhã de segunda-feira, 30 de maio, o Rio-à-Porter deu início a seu ciclo de palestras, com a “Inovação para o Design”, do site de tendências Stylesight. A convidade era ninguém menos que Jamie Thomas, diretora de tendências do site, que veio ao Brasil pela segunda vez, e se mostrou entusiasmada pelo evento, especialmente pela junção de Fashion Rio + Rio-à-porter.

Jamie contou que o Stylesight surgiu porque Frank Bober, o criador do site, designer e fabricante, sentia muita falta de um instrumento que agregasse análise de tendências e comportamento, e guiasse o produtor. Seguindo a máxima de “quer uma coisa bem-feita, faça você mesmo”, Frank foi e fez, criando o Stylesight em 2003.

Ela também deixou claro que é necessário que se trabalhe de maneira conjunta a tecnologia e o design, e só assim as empresas conseguem inovar. “Hoje todo mundo é crítico de moda. Além dos editores, também temos os blogueiros e os vloggers, e qualquer pessoa, quando vai a algum lugar ou vê alguma coisa, coloca em seu perfil ou em uma rede social o que achou daquilo, se gostou ou não. As marcas precisam estar atentas a isso!”, comentou Jamie.

Mas o que todo mundo queria mesmo saber era: quais serão as “macro-tendências” para o verão 2012 (sim, lá no futuro)? Jamie deu a resposta: Analogue, Soul, Manifesto e Rebels.

Analogue: Linhas simples e clean, com paleta de cores com bastante azul Klein, verde musgo e o laranja da Hermès (“que é muito chique!” acrescentou Jamie). Produtos que pareçam naturais e tangíveis aos consumidores, e a busca pelo essencial.

rodartePeças da Rodarte, citadas por Jamie como referência da macro-tendências Soul ©Reprodução

Soul: Uma mistura de África, com artesanato e uma ideia bastante forte de “feito com as próprias mãos”, como tricô. “Sim, queremos tecnologia, mas é legal ter algo para tocar e sentir, que só o artesanal proporciona”, explicou Jamie. As cores que guiam a macro-tendência são cáqui e verde oliva, com uma explosão safira, turquesa, amarelo, que são cores que remetem à tribos africanas. “Aqui o que vale é usar diferentes combinações e ser diferente”, disse a diretora.

Manifesto: É a tendência que trás os anos 70, Yves Saint-Laurent, Guy Bourdin e o Studio 54. A paleta de cores é bastante feminina, com cores fortes, e muito preto e dourado nos acessórios. Aqui, o sexy e o feminino são protagonistas, e a silhueta da mulher é trabalhada de várias formas.

guy©Guy Bourdin

Rebeldes: Aqui os rebeldes são um pouco diferentes do que se imagina. No caso, as imagens são Lady Gaga, Katy Perry e Nicki Minaj, que “rejeitam a sociedade”. O artista Scott Campbell, que fez intervenções nas notas de dólares, com imagens de caveiras, também influencia esse movimento. Na paleta de cores, predominam os tons metálicos. “É o gótico e o dramático, mas sem ser assustador”, explicou Jamie.

Na ocasião também foi lançado o Prêmio Stylesight / Rio-à-Porter, que recompensa os cinco melhores expositores do evento, levando em conta Visual Merchandising, Ativação de Marca, Coleção, Plano de Negócios e Experiência do Visitante. O júri é formado por Jorge Grimberg, diretor de Marketing do Stylesight, Camila Toledo, diretora de tendências do Stylesight BR, e Jamie Thomas. Os prêmios são generosos: o primeiro colocado ganha uma viagem para Nova York com acompanhante e uma visita ao escritório do portal de tendências na cidade e seis meses de assinatura do site, e os quatro demais também ganham assinatura. Além dos “Top 5 Expositores”, também haverá menção honrosa para Nova Marca, Inovação e Pólo de Moda.

jamie-thomasJamie Thomas, diretora de tendências do Stylesight ©Divulgação

O FFW conversou com Jamie Thomas para entender como o Brasil se posiciona no “negócio de tendências”; confira:

Qual a importância dos países emergentes, especialmente o Brasil, nesse processo de inovação no design?

É importante porque quando você cria tendências, você pensa global, e é importante ver o que está acontecendo aqui. Pensamos como isso nos influencia, e como se comunicam, e em toda a sua cultura. Tudo isso influencia muito no processo de inovação global.

Por que vir ao Brasil neste momento?

Achei uma ideia fantástica juntar Fashion Rio e Rio-a-Porter. Você refresca a mente, pois vê o desfile e depois vê no show-room o produto final. É bom para a criatividade, é bom para fazer dinheiro. O que é ótimo, porque é necessário movimentar a economia.

Por que criar o prêmio? Por que ele é importante para a moda brasileira?

É um instinto natural ser competitivo e querer ser o melhor. Como Alexander McQueen, que sempre queria superar seu último desfile. Portanto quando se cria um prêmio como esse, o instinto natural de vencer faz com que haja inovação, que se criem novas tecnologias, sempre melhores que as últimas.

E quais são as dicas para uma marca funcionar no mercado?

Tudo tem que ter continuidade com a identidade da marca. O logo tem que conversar com a papelaria, que conversa com o consumidor e o universo da marca. E embora as estações mudem, e as coleções tenham outros temas, a identidade da marca tem que estar presente. Os novos designers, por exemplo, muitas vezes não fazem isso, e criam coleções seguidas que não tem nada a ver uma com a outra, e isso deixa o consumidor confuso.

No Brasil, moda é especialmente influenciada pela televisão. Vocês levam isso em consideração?

Sim! Porque levamos em conta cultura, celebridades, etc, para interpretar o que as garotas estão usando. E o que aparece na televisão vai para a rua, e a moda de rua é muito importante para saber o que está acontecendo. O que mais importa é a cultura!

Sucesso nas praias, Triya promete experimentações para Verão 2012

27/05/2011

por | Moda

A Triya foi fundada em 2005, pelas amigas Isabela Frugiuele, Carla Franco e Bebel Fioravanti , mas foi em 2010, quando a marca fez sua estreia no line-up oficial do Fashion Rio, que a marca alçou o posto de queridinha da moda praia. A coleção apresentada, chamada Wild, foi aclamada pelos críticos, que definiram a Triya como divertida e expert nas estamparias. Hoje existem cinqüenta pontos de venda no Brasil, sendo duas lojas em São Paulo – a sede no Itaim e o novo ponto no shopping Iguatemi SP – e 14 pontos internacionais.

E na sexta-feira, 03 de junho, a marca retorna ao Fashion Rio com seu segundo desfile e muitas expectativas. O FFW falou com Isabela, responsável pelo estilo, confira abaixo:

triyaTriya no verão 2011 ©Agência Fotosite

Quais as expectativas para esse desfile, depois de uma estreia incrível?

Estamos trabalhando muito, para tentar esquecer o medo que dá. Estamos tentando fazer um desfile que tenha a cara da Triya, colorida, divertida, mas estamos experimentando coisas novas. Acho que a coleção evoluiu. A cartela de cores está bem diferente, mais suja e apagada. Também tentamos trabalhar a lycra de outras maneiras. Tem biquínis sem costura nenhuma, todo feito à laser, ou inteirinho costurado. E hoje como todo mundo usa protetor solar, dá para fazer modelos com recortes, e não fica a marca. Estamos experimentando bastante, pra deixar uma cara diferente.

Qual o maior desafio desse desfile?

Sempre é um desafio. Fazer desfile é bacana porque você mostra o universo da marca, o que você quer dizer. Na loja o pessoal gosta de peças mais simples, e o desfile dá chance de mostrar um outro lado, o universo que a gente pensou pra coleção.

triya2Peças prontas que estarão no próximo desfile da Triya ©Divulgação

O que podemos esperar dessa coleção?

Nos inspiramos nas meninas dos filmes da Sofia Coppola, bem feminina, delicada, com segredos. E quisemos relacionar a profundidade dessas meninas com as profundezas do mar. O outro desfile foi mais forte, esse vai ser mais lúdico.

Vocês não gostaram de alguma coisa no primeiro desfile, que não vão fazer de novo?

Não teve nada com o que a gente não ficou feliz. Foi muito bacana para a Triya e para a gente.

Como vocês definem a identidade da marca Triya?

É para uma menina que gosta de ir para a praia, confortável, quer se sentir bem e tem estilo, acha bacana vestir uma estampa diferente, uma calcinha com detalhe. É divertida, feita para um momento de lazer. E as clientes não procuram apenas o biquíni e a saída de praia, elas querem peças de roupa com a mesma estampa, e a gente oferece isso. Tentamos fazer uma família bem grande de produtos.

Depois que vocês desfilaram no Fashion Rio, o que mudou financeiramente?

A marca ficou mais conhecida, e os números das vendas no atacado cresceu muito também. As vendas aumentaram bastaste, foi bem positivo.

FFW Inspirações: Patricia Grejanin e o roqueiro Lemmy, do Motörhead

26/05/2011

por | Gente

patiPatricia Grejanin, da Laundry ©Walter Moreno

A canceriana Patricia Grejanin é a estilista – e dona – da Laundry, uma marca com essência rocker & vintage, localizada na Galeria Ouro Fino, na famosa Rua Augusta, em São Paulo. Nas horas vagas, a designer coloca seu setlist pra tocar em lugares como Bar Secreto, Alberta#3 e Z. Carniceria. É ela a entrevistada da vez em nossa seção FFW Inspirações, que descobre o que tem feito a cabeça dos criativos do mundo da moda e das artes.

O que te inspira, Patricia?

“Tem uma pessoa em especial que estou focada nas últimas semanas que é o Lemmy Kilmister, vocalista e baixista do Motörhead”.

lemmyLemmy ©Reprodução

“Assisti em uma mostra um documentário simplesmente sensacional sobre a vida dele. O Lemmy tem 65 anos e um milhão de histórias muito interessantes tanto sobre sua vida particular como sobre o rock n’ roll. Ele assistiu a um dos primeiros shows dos Beatles em Liverpool, foi roadie do Jimi Hendrix e é apaixonado por música dos anos 50, o que chega ser antagônico, pois o Motörhead tem um som super pesado.

Ele é venerado por músicos de todas as idades e vertentes e mesmo sendo super bem sucedido, leva uma vida absolutamente simples e acessível, diferente de toda a ostentação dos rockstars. Não posso deixar de citar que o visual do Lemmy é simplesmente incrível e peculiar”.

+ Veja o trailer do documentário:

“Não é segredo que o rock é uma grande inspiração pra mim, sempre digo isso. Às vezes pode ser de forma explícita, como um trecho de música numa estampa, ou de forma subjetiva como é o caso desse documentário. Desde então não paro de ouvir Motörhead, e acabei fazendo uma trilha para a loja. Para conhecer a essência do Motörhead, ouça o álbum “Ace of Spades” e assista ao documentário “LEMMY: 49% Motherfucker. 51% Son of a Bitch”. Vocês certamente vão entender o que estou dizendo!”

+ Ouça a música “Ace of Spades”:

lemmy2Capa do album “Ace of Spades” e do documentário sobre o roqueiro ©Reprodução

Designer de joias Pamela Love estreia blog; conheça seu trabalho

26/05/2011

por | Moda

pamela_love2Pamela Love ©Reprodução

A designer de jóias Pamela Love se considera uma tecnofóbica, mas recentemente foi fisgada pela internet, ao lançar seu próprio blog, dentro do site de sua marca, por achar a maioria dos que existem muito chamativos, e ao mesmo tempo, muito frios.

O espaço online de Love é quase que uma extensão dela na internet, com toques pessoais inclusive no layout, vendas exclusivas de alguns de seus produtos e também um acervo com alguns objetos coletados pela designer nova iorquina, e suas roupas vintage, como camisetas raras de música: “Há algumas realmente boas, tipo Pink Floyd e Neil Young”, contou a designer. Além das vendas, Love vai usar o espaço para compartilhar fotos e imagens que a inspiram, e que também inspiram suas coleções.

pamela_abrePeça de sua coleção Spring 2011 ©Reprodução

A designer, formada pela Tisch School of the Arts, da Universidade de Nova York, já trabalhou como diretora de arte e stylist, e durante tudo isso, sentia dificuldade em encontrar joias do seu gosto, e em 2006, começou a fazê-las, em seu próprio apartamento, no Brooklin. Suas criações não demoraram a cair nas graças de ‘trendsetters’ ao redor do mundo, e hoje ela tem um estúdio na 29th Street, onde trabalha um time nada pequeno. “Aconteceu de eu ser stylist – não muito estabelecida, mas eu conhecia algumas pessoas, e elas usavam minhas joias. Eu sei de modelos que usavam minhas peças em ensaios e os stylists pediam para que elas as usassem [para as fotos], e uns amigos que eram editores falavam ‘bem, vamos contar umas histórias sobre isso’”, explicou ela sobre o sucesso de suas criações.

pamela_zacposenAcessórios de Love no desfile de Zac Posen – Fall/2009 ©Reprodução

Entre os nomes de quem ama o trabalho dela estão Julia Restoin-Roitfeld e Francesco Clemente (eles já trabalharam juntos), além de marcas com quem ela já colaborou, como Marchesa, Twenty8Twelve, Yigal Azrouel, Frank Tell e Zac Posen. Ela também criou uma coleção inspirada no filme “Onde vivem os monstros”, para a Opening Ceremony, e outra da série True Blood, para venda exclusiva da HBO – algumas peças foram inclusive usadas nas gravações do seriado. Se isso tudo não fosse o bastante, Love também foi a primeira designer americana a colaborar com uma linha de acessórios para a Topshop, além de criar uma linha de joias eco-friendly, ao lado do designer Rogan Gregory.

+ Veja no vídeo mais sobre o processo de criação de Pamela Love:

Ao criar suas joias ela não pensa muito em tendências. “Eu sou muito ruim em notá-las. Mas claro que é importante saber o que está acontecendo, porque assim você sabe que não está fazendo a mesma coisa que outra pessoa”, explicou a designer. Sua inspiração vem de artistas como Joseph Cornell, Lee Bontecou, Hieronymous Bosch, Alejandro Jodorowsky e Francesco Clemente, além de sua paixão pela natureza e ciência, astrologia, religião e astronomia. Ela também tem uma conexão forte com a América do Sul, o que vira e mexe acaba influenciando em suas peças.

Fanática tanto pela concepção quanto pela confecção das peças, Love continua a experimentar materiais dos mais exóticos, e diferentes técnicas para criar peças cada vez mais extravagantes. Sua graça está justamente nisso, já que desafia o conceito tradicional de joias, que sempre costumam usar os mesmos materiais e as mesmas pedras preciosas. Ao contrário, o trabalho de Love é sempre instigante e fora dos padrões.

+ Confira na galeria mais peças de Pamela Love

Nova geração de promoters fala sobre o que é quente em 2011

O WGSN fez o perfil dos cinco nomes mais jovens e mais quentes dos clubes noturnos de Londres, São Paulo, Seul, Tóquio e Los Angeles, e eles falaram sobre música, festas, como usam as redes sociais e o que é quente para 2011.

Toby Bull – LONDRES

bull©Reprodução WGSN

Na tenra idade de 18 anos, Toby Bull faz parte da mais nova geração de produtores musicais e promoters de Londres, e também é um dos mais influentes. Ele começou promovendo shows de bandas como Rolo Tomassi, The King Blues, Sam Isaac, : ( e Zombina & the Skeletones, e hoje comanda a Tender Age, que abrange uma balada, um blog e uma gravadora. Bull, que está terminando sua preparação para ir à universidade, no próximo ano, também cuida das bandas Beat Connection e D/R/U/G/S.

“[Eu fiz isso] pela mesma razão de quase todo mundo, eu acho: crescendo no meio do nada sem acesso a shows de boas bandas. Tendo passado tempo com o meu irmão em lugares abandonados e centros sociais de Londres, essa ausência se tornou óbvia demais para mim. Na época que eu tinha 14 anos, comecei a promover alguns shows. Uma vez que eu aprendi a postura dos negócios – com agentes e gerenciamento e todo o resto – ser tão jovem deixou de ser uma armadilha e ninguém reparou mais nisso”.

Tender Age também comanda o “Happiest Place on Earth” (em português, “Lugar mais feliz do mundo”), um espaço de eventos. “É tanto uma boate quanto um espaço de shows – depende de como estou me sentindo – para novas coisas que eu estou ouvindo e gostando muito”, disse Bull.

Sobre as redes sociais:

“Música é essencialmente sobre comunicação, e aceitar e se envolver com a modernidade é o único jeito de ir pra frente. Se você rejeita as redes sociais, você ainda comunica alguma coisa, mas eu acho que você está sendo nostálgico… Myspace surgiu e já morreu, Facebook existe há bastante tempo e Twitter é a verbalização de coisas que você pensa e nunca diz. [Perfis nas redes sociais] são praticamente parte das pessoas.”

Dicas de festivais e clubes de 2011:

“Para festivais, tudo acontece no Melt, Midi, Lounge on the Farm e Land of Kings. Eu amo o que “Aka Aka Roar” está fazendo em Brighton, e esse novo clube The Tube tem apostado em ótimas coisas. Star of Kings é um novo grande nome, e Corsica Studios tem um ótimas coisas para dançar, e um sistema de som de enlouquecer. Eu também gosto de Dalston Superstore e The Alibi também tem seu charme. Também em Brighton (ou Melhor subúrbio de Londres), mas Green Door Store é fenomenal. Público perfeito, programação perfeita e um reluzente, maravilhoso e agradável local”.

O que ouvir em 2011:

“Eu acho os “Night Angles” incríveis – eles vão lançar um disco-odisséia de 10 minutos que eu quero como trilha sonora desse outono e inverno, quando o sol morre e noites frias tomam conta. Eu acho que Arthur Beatrice vai dominar o mundo até o fim de 2012. Eles são esses quatro jovens surpreendentes das redondezas de Londres que ficam incrivelmente bem colocados juntos, com suas composições fortes e partes sutis… tipo Phil Collins em uma viagem bizarra pelo Reino Unido. Meus garotos “D/R/U/G/S” e “Beat Connection”estão arrasando também – é um fato, mas eles ainda têm umas coisas ótimas para serem lançadas”.

+ Ouça “Beat Connection”

Lais Pattak – SÃO PAULO

lais©Reprodução WGSN

Lais Pattak, 23, é uma promoter de clubes e festas do Brasil. Ela comanda a “Killing the Dance”, uma festa temática no Clube Glória, em São Paulo, toda terceira sexta-feira do mês. Pattak é também uma das DJs residentes, ao lado da drag-queen DJ Ginger Hot e Jorge Wakabara, editor chefe do site lilianpacce.com.br.

“Eu ia a muitas festas diferentes, mas sempre sentia falta de alguma coisa nelas. Então depois de pensar bastante, aos 19 anos, decidi ir atrás disso, correr alguns riscos e criar minha própria festa. Isso foi há quatro anos.”

Pattak estudou comunicação social, rádio e TV na Universidade, mas sempre viveu em São Paulo e desenvolveu uma rede de contatos com o passar dos anos. Ela vive nas redes sociais e é famosa na noite de São Paulo por seu estilo pessoal e seus enfeites de cabelo, assim como por suas festas lotadas.

Sobre as redes-sociais:

Eu sempre digo que minhas festas são festas de Facebook – hoje em dia, quando alguém está procurando por algum lugar para ir, é o primeiro lugar que elas procuram. No Twitter, uma das minhas festas ficou em segundo lugar nos “Trending Topics” do Brasil – isso é muito importante para o meu trabalho.

Dicas de festivais e clubes de 2011:

Planeta Terra em novembro será bombástico – é um grande festival com mais de 20 artistas do mundo todo. Para clubes, tem que ser Clube Glória e Funhouse.

Jo and Dan – TÓQUIO

toquio©Reprodução WGSN

Jo e Dan começaram como promoters de clubes, antes de decidirem que queriam animar as coisas na Semana de Moda de Tóquio. Tendo promovido várias festas de outras pessoas antes, a dupla decidiu que eles tinham contatos suficientes para lançar uma deles mesmos. Eles acabaram sendo escolhidos para organizar a festa de encerramento da Semana de Moda do Japão.

“Quando começamos a fazer os eventos “Tokyo Dandy”, Tóquio era realmente dividida em gêneros. Mesmo na Trump e La Fabrique (casas noturnas da cidade) era uma noite sem fim de techno. Nós nos certificamos que em nosso line-up houvesse eletrônica, techno, rock, hip hop, pop e K-Pop – uma grande mistura.

Jo e Dan explicaram que em Tóquio os clubes em si são tão importantes, como em outras cidades, dizendo: “Tudo depende do evento, ou dos organizadores, ou de uma festa em particular. Entretanto, nós preferimos Trump Room e Le Baron para nossas festas porque eles representam o underground e a moda de rua (Trump), e a moda mais madura e sofisticada (Le Baron), já que são ambas que fazem a Tokyo Dandy”.

Dicas de festivais e clubes de 2011:

“Fuji Rock é o melhor festival graças a sua localização nas montanhas japonesas – as performances são quase secundárias devido ao cenário incrível. Há bastante barulho sobre o Big Beach Festival esse ano, também. O futuro dos clubes em Tóquio é difícil de prever por causa do terremoto. Nessa primavera, as pessoas não sabem como reagir e com o verão se aproximando, haverá falta de eletricidade assim que todo mundo começar a usar seu o ar-condicionado. Dito isso, eu espero que isso contribua para maiores espaços abertos, mais atividades ao ar-livre, muitas horas na praia, que normalmente fecha às 21h, e mais coisas nos parques”.

O que ouvir em 2011:

“Trippple Nippples é um dos únicos grupos que estiveram “na cena” nos últimos anos. Há também uma nova geração de jovens DJ’s japoneses chegando, que estão fazendo suas próprias coisas, o que é ótimo. Nosso cenário pode ser pequeno, mas nos grandes clubes é sempre a mesma coisa de sempre, com grandes nomes tipo Ken Ishi, Dex Pistols e Shinichi Osawa”.

Daehyun Kim – SEUL

seul©Reprodução WGSN

Daehyun Kim é chave criativa na cena indie local de Seul, mas também promove bandas da Upper Music Label, DJ’s e festas pós-shows e ainda toca em sua própria banda, Wagwak. Desde seu primeiro passo na cena musical alguns anos atrás, ele diz que a música em Seul cresceu significativamente, com pessoas fazendo mais festas indies e noites de bandas.

“Eu planejo continuar trabalhando para construir um melhor cenário para a música indie em Seul. Eu amo encontrar novas e promissoras bandas, então eu estou sempre procurando por música nova e minha playlist no iPod está sempre mudando. Neste momento eu estou gostando de bandas lo-fi”.

“Eu faço meus shows e eu quero que mais pessoas venham a eles, então eu pensei que se pudesse fazer shows mais baratos com muitas bandas boas, então funcionaria!”.

Dicas de festivais e clubes de 2011:

Há alguns festivais de verão chegando, mas eu sou todo sobre Jisan Rock Festival, que é o maior de todos na Coreia.

Daniel Boyd Barrett – LOS ANGELES

la©Reprodução WGSN

Com 23 anos, Daniel Boyd Barrett mora em Los Angeles e descreve a si mesmo como um “obcecado por música”. Boyd Barret começou como promoter e na discotecagem por ser um ávido colecionador de discos. “Eu tinha todas essas músicas em minhas mãos que eu queria tocar para as pessoas e todos os meus amigos pareciam gostar. Eu também iniciei um blog de música com um número de razoável de leitores, o que alimentou ainda mais minha obsessão por música”.

Boyd Barrett comanda uma festa mensal na 3Clubs, em Hollywood, e construiu uma reputação como DJ e promoter.

“Eu coleciono todo tipo de música. Nunca me restringi a um ou dois gêneros – eu não acho que ninguém que realmente ama música faria isso. Meus atuais gêneros favoritos seriam Tropicália, luk thung, freakbeat/psychedelic/garage internacional e Anatolian rock. Eu também amo as compilações do Sublime Frequencies, Soundway e Numero Group”.

“Eu amo usar projetores. Eu acho que o final dos 60 e o começo dos 70 foram tão legais, em parte por razões não musicais – havia uma nova geração cultural. LSD, projeções alucinantes, música freakbeat, roupas coloridas, política e a auto exploração”.

Sobre as redes sociais:

“Facebook e Twitter são muito importantes. Você pode literalmente chamar milhares de pessoas para irem a sua festa – quer dizer, isso é enorme! Eu também uso “Soundcloud” para que as pessoas possam escutar exatamente o tipo de música que será discotecada e ter certeza que é o tipo de coisa que elas gostam”.

Dicas de festivais e clubes de 2011:

“Eu realmente gosto de El Cid para noites comuns como Nomerica e Rhonda. 3Clubs e Black Boar para uma atmosfera cool e música interessante. The Echo para bons shows grátis e Party Time Punks aos domingos. The Smell para super ações de DIY. Wombleton Records de vez em quando às quintas-feiras (é a melhor loja de discos de LA, de longe). Eu acho que o novo bar para se estar é Harvard & Stone – tem um design incrível, é muito convidativo e tudo mundo parece estar amando. Eu definitivamente estarei discotecando lá em algum momento. Para festivais nos EUA, tudo o que você precisa é SXSW. Outro tão bom quanto, FYF Fest”.

O que ouvir em 2011:

“Food Pyramid, Terry Malts, Folakazoid, John Maus, Moon Duo, Purling Hiss, Belong, NoJoy, Craft Spells, Tyler the Creator, Dirty Beaches, the Soft Moon e Tearist”.

+ Ouça “Craft Spells”

Conheça Iris Van Herpen, promessa de frescor na alta-costura

19/05/2011

por | Moda

iris_capa©Reprodução

Iris Van Herpen é uma dessas estilistas que faz um trabalho cuja linha divisória entre moda e arte não fica clara. A holandesa, nascida em 1984 na cidade de Wamel, iniciou sua própria marca em 2007, após se formar em Design de Moda na ArtEZ, em Arnhem, também na Holanda. Enquanto estudante,ela estagiou com ninguém menos que Alexander McQueen, em Londres. Além de McQueen, Hussein Chalayan e Nicolas Ghesquière são os designers mais admirados pela estilista, que vê em Björk um grande ícone de estilo (ela inclusive já desenhou um vestido para a cantora).

Suas criações frequentemente misturam elementos de moda, arte e escultura, usando materiais específicos do design de produtos e da arquitetura. Em entrevista para a “Dazed&Confused”, Iris contou que o mais importante de seu trabalho é manter-se próxima ao formato do corpo. “Meu trabalho é sobre materiais, formatos e novas técnicas. Eu gosto de trazer novas técnicas para a moda, porque de outra maneira eu não posso respirar ou continuar criando”, explicou a designer. Além da matéria-prima diversa, Iris coloca a tecnologia a seu favor, já que algumas peças são desenhadas no computador e feitas a laser, pois utilizam técnicas difíceis de serem feitas à mão. No entanto, em boa parte de seu trabalho, a estilista combina o uso da tecnologia com artesanato.

iris_van_2©Reprodução

“Para mim moda é uma expressão da arte que está muito relacionada comigo e com meu corpo. Eu vejo isso como minha expressão de identidade combinada com desejo, humor e cultura”, explica a designer, e acrescenta que em seu trabalho ela tenta deixar claro que moda é muito mais do que somente funcional ou uma ferramenta comercial, e sim uma maneira de mostrar e vestir arte. “Com meu trabalho pretendo mostrar que a moda pode acrescentar algum valor ao mundo, que é atemporal e que o seu consumo pode ser menos importante do que o seu início”.

Seu discurso é coerente com sua carreira, já que Iris é não faz roupas em larga escala. Seu design, inclusive, não é possível de ser usado diariamente, mas a estilista é firme em sua visão: “Tive um pouco de medo no início, e eu não tinha ideia se as pessoas entenderiam o que eu estava criando. Meus conceitos são um tanto abstratos e incomuns. Então eu não sabia como deixá-los claros para outras pessoas. Eu ainda acho difícil às vezes, porque gosto de filosofar e mudo de ideia sobre meu trabalho e conceitos o tempo todo. No começo pensei que as pessoas achariam isso estranho e caótico. Mas a sensação de que eu precisava compartilhar com outras pessoas o que eu criava sempre foi mais forte do que as dúvidas”, contou ela para a revista “Fault”.

iris_van_3©Reprodução

Sua ligação com as artes também serve como inspiração para seu trabalho, mas não de maneira óbvia. Muito mais do que a obra de arte ou o conceito por trás dela, é o artista e a maneira que ele vive que mais a inspira: “E às vezes experimento um jeito realmente puro de me inspirar; se eu vejo algo novo, algo realmente bonito na arte, isso me deixa feliz e me dá energia para eu mesma criar. Então é só a vontade de trabalhar, não a inspiração para criar um conceito ou algo assim”.

Iris van Herpen vai desfilar na próxima edição da Semana de Alta Costura de Paris como membro convidado; no início do ano, ela havia feito um desfile paralelo ao evento. Iris é uma estilista que destoa de um jeito bom do tradicionalismo recorrente dos estilistas da alta-costura, que, para ela, precisa de uma nova imagem, novas técnicas, experimentações, materiais e conceitos modernos, como são o futuro e a inspiração da moda. Entre todos os “couturier”, Ricardo Tisci é seu preferido, pela maneira que utiliza artesanato de uma maneira nova. “É tradicional e futurístico ao mesmo tempo”, explicou ela.

Se a alta-costura precisa de novidade, talvez atenda pelo nome de Iris Van Herpen.

Prada contrata novos talentos para divulgar sua linha de acessórios

18/05/2011

por | Moda

prada_ABREOs novos óculos da Prada vistos por Federica di Giovanni ©Reprodução

A Prada, após o sucesso enorme de seus óculos de sol “Minimal-Baroque”, da coleção Primavera/Verão 2011 – aquela das listras super coloridas – lança essa semana mais dois modelos, com linhas e curvas rococós. E o mais legal: a marca recrutou um time de novos talentos para dar um ‘boost’ na divulgação dos novos acessórios.

ilustracaoIlustrações de Marcela Gutierrez e Andrea Tarella ©Reprodução

Miuccia Prada, que é conhecida por apostar em formatos não convencionais (como no lookbook da marca, lançado em 2010), escolheu oito fotógrafos para trazerem um olhar “cultura pop+quadrinhos” para as criações. Em uma primeira fase do projeto, a designer chamou Ivo Bisignano, Marcela Gutierrez e Andrea Tarella para fazerem ilustrações dos modelos.

prada_oculosTrabalhos de Kuba Dabrowski ©Reprodução

Os fotógrafos que fazem parte do projeto, chamado “From Drawings to Pictures”, são Federica Di Giovanni, Kuba Dabrowski, Ciraudo Majola, Mattia Buffoli, Rosi di Stefano, Tassili Calatroni, Tatiana Uzlova e Tomás Nogueira, que usaram paletas de cores, objetos e cenários os mais inusitados possíveis, o que resultou em fotos cheias de vida, espontâneas e divertidas. Exatamente como os óculos da coleção “Minimal-Baroque”.